Japão planeia construir reatores nucleares de nova geração

O Japão pretende dar um forte impulso à energia nuclear, um setor que ficou enfraquecido desde o desastre da central nuclear Fukushima em 2011, mas que está a ganhar força diante das fortes pressões energéticas globais.

Japão planeia construir reatores nucleares de nova geração

Japão planeia construir reatores nucleares de nova geração

O Japão pretende dar um forte impulso à energia nuclear, um setor que ficou enfraquecido desde o desastre da central nuclear Fukushima em 2011, mas que está a ganhar força diante das fortes pressões energéticas globais.

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, anunciou hoje que será feita uma reflexão em várias frentes, inclusive sobre a possível construção de “reatores nucleares de nova geração”, que seriam um grande ponto de viragem para o Japão. As autoridades japonesas também pretendem prolongar a vida útil dos seus reatores acima de 60 anos, com o objetivo de reduzir as suas emissões de CO2, de acordo com o plano anunciado hoje pela executivo japonês.

Essas propostas, que representam uma grande mudança na política do governo japonês de não construir novas centrais nucleares, também incluem a reativação de um total de 17 reatores para o próximo verão. As medidas foram propostas por Kishida durante uma reunião do Governo sobre a iniciativa “Transformação Verde”. Até ao final do ano, ações concretas deveram ser implementadas, segundo os meios de comunicação locais. “O Japão deve resolver os seus problemas para o futuro enquanto promove a transformação energética”, disse Kishida durante a reunião de hoje.

O Ministério da Economia, Comércio e Indústria japonês está a estudar o desenvolvimento de centrais nucleares de nova geração e publicou anteriormente uma estratégia para atualizar reatores ativos com melhores funções de segurança até 2030. O plano também incluiria a extensão da vida máxima dos reatores para que possam operar além de 60 anos, já que após o desastre de Fukushima foram introduzidas medidas mais rígidas e esse número foi reduzido para 40.

No entanto, operar durante esses 20 anos extras só será possível se uma série de melhorias de segurança forem realizadas e os reatores passarem pelas revisões necessárias, com o objetivo do país aumentar o percentual de fornecimento de eletricidade que consome de 20% para 22% ou 24% através de energia nuclear.

Em relação à reativação das centrais nucleares, o Ministério também planeia ter um total de 17 reatores nucleares em operação, incluindo 10 já aprovados para operação, com o objetivo de melhor se preparar para um possível desabastecimento de energia elétrica, especialmente nos meses de inverno. O Japão entrou num “apagão nuclear” após o acidente na central nuclear de Fukushima Daiichi, desencadeado pelo terramoto e tsunami de março de 2011.

O Governo e a nova autoridade reguladora de energia atómica estabeleceram critérios de segurança mais rígidos como resultado dessa crise que obrigou todas as centrais do país a suspenderem as suas operações até que atendessem aos novos padrões. No entanto, apenas alguns reatores nucleares receberam o aval das autoridades para voltar a funcionar, do total de 42 existentes em condições técnicas para operar, mas que não passaram pelas novas normas de segurança do regulador japonês ou foram reprovados pela Justiça.

 

Impala Instagram


RELACIONADOS