Itália permite desembarque de navio humanitário com 63 pessoas a bordo

As autoridades italianas permitiram que o navio humanitário alemão “Sea Eye 4”, que transporta 63 migrantes resgatados após uma semana de viagem no Mediterrâneo, atracasse no porto de Livorno (Toscana).

Itália permite desembarque de navio humanitário com 63 pessoas a bordo

Itália permite desembarque de navio humanitário com 63 pessoas a bordo

As autoridades italianas permitiram que o navio humanitário alemão “Sea Eye 4”, que transporta 63 migrantes resgatados após uma semana de viagem no Mediterrâneo, atracasse no porto de Livorno (Toscana).

O navio, que deixou Burriana (Espanha) no passado dia 07, ainda se encontra nas proximidades da ilha de Malta, tendo começado a dirigir-se para o porto de Livorno, no centro de Itália, acrescentaram os meios de comunicação social italianos.

A organização não-governamental (ONG) alemã Sea-Eye 4 disse, nas suas redes sociais, que muitos dos migrantes a bordo estão doentes ou feridos, havendo entre eles 12 menores desacompanhados e cinco mulheres.

Acrescentou que muitos dos resgatados estavam no mar há um dia e meio quando o navio recebeu um pedido de socorro e foi ao seu encontro para lhes fornecer comida e roupa quente.

Estes são os primeiros salvamentos por navios de ONG após a decisão do Governo italiano de impedir, no início de novembro, durante dias, o desembarque de pessoas resgatadas por estas organizações, no âmbito da sua nova política anti-imigração que permite apenas o desembarque de migrantes vulneráveis.

A nova regra, concebida pelo ministro das Infraestruturas italiano e líder do partido de extrema-direita Liga, Matteo Salvini, impulsionador da política italiana de “portos fechados” às ONG humanitárias, permite que apenas desembarquem migrantes que foram avaliados clinicamente como estando numa situação de vulnerabilidade.

Por exemplo, o navio “Geo Barents”, pertencente à ONG Médicos Sem Fronteiras, atracou no porto da Catania (Sicília, sul de Itália) a 05 de novembro, com 572 migrantes a bordo, tendo, inicialmente, sido apenas autorizado o desembarque dos considerados “vulneráveis”, essencialmente mulheres, menores e doentes, enquanto 215 outros migrantes tiveram de permanecer no navio durante mais três dias.

A primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, disse, sábado, no décimo aniversário do seu partido, Irmãos de Itália, que a migração através do Mediterrâneo é uma prioridade para o seu executivo.

Este ano chegaram às costas italianas quase 96.000 pessoas, contra as 63.000 de 2021, segundo o Ministério do Interior, o qual alertou, ainda, para um “aumento considerável” do número de pessoas que entram em Itália por terra através da rota dos Balcãs.

Segundo dados oficiais, 4.101 migrantes foram contabilizados entre 01 de janeiro e 25 de outubro de 2022, contra 1.350 no mesmo período em 2021, um aumento de 203,78%.

A autorização de hoje acontece no Dia Internacional dos Migrantes, celebrado, anualmente, no dia 18 de dezembro, por decisão da Assembleia-Geral das Nações Unidas, numa resolução aprovada em dezembro de 2000.

 

MLL // SCA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS