Inspetor-geral de Finanças pede para abandonar o cargo

O inspetor-geral de Finanças, Vítor Braz, vai sair do cargo, a seu pedido, mas mantém funções em regime de gestão corrente até novo concurso de recrutamento.

Inspetor-geral de Finanças pede para abandonar o cargo

Inspetor-geral de Finanças pede para abandonar o cargo

O inspetor-geral de Finanças, Vítor Braz, vai sair do cargo, a seu pedido, mas mantém funções em regime de gestão corrente até novo concurso de recrutamento.

O inspetor-geral de Finanças, Vítor Braz, vai sair do cargo, a seu pedido, mas mantém funções em regime de gestão corrente até novo concurso de recrutamento, segundo um despacho das Finanças publicado em Diário da República. A decisão do ministro das Finanças, Mário Centeno, foi tomada no início deste mês, no decurso do pedido apresentado pelo inspetor-geral de Finanças de não renovação da respetiva comissão de serviço, com termo em 31 de dezembro próximo.

LEIA DEPOIS
Temperatura média do planeta vai aumentar 3,2º, diz ONU

No mesmo despacho, o ministro decidiu também não renovar as comissões de serviço dos dirigentes superiores de 2.º grau da Inspeção-Geral de Finanças (IGF) – Ana Paula Pereira Cosme Franco Barata Salgueiro, António Manuel Pinto Ferreira dos Santos, José António Prates Viegas Ribeiro e Maria Isabel da Silva Castelão Ferreira da Silva, “registando, com agrado, o desempenho e os resultados alcançados” pela equipa de Vítor Braz.

Mário Centeno salienta que a IGF tem por missão assegurar o controlo estratégico da administração financeira do Estado “num ambiente em permanente mutação, cada vez mais exigente e complexo, sendo a respetiva atuação fundamental” enquanto autoridade de auditoria e de verificação do cumprimento da legalidade.

Centeno enaltece ainda o procedimento concursal na escolha dos próximos dirigentes

“O que obriga a uma constante necessidade de legitimação”, destaca o governante, defendendo que o dever de transparência e de rigor de análise daquela entidade “tornam imperativo” uma periódica reavaliação da sua missão, “sendo imprescindível que os respetivos dirigentes superiores vejam a respetiva legitimidade de atuação reforçada na sequência de um processo de seleção exigente, rigoroso, isento e imparcial”.

Centeno enaltece ainda o procedimento concursal na escolha dos próximos dirigentes, defendendo ser “o momento e o meio idóneo e mais rigoroso” para proceder a essa reavaliação. Há quase um ano, em dezembro do ano passado, inspetores da Unidade de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária realizaram buscas na IGF, e no Ministério da Defesa e Cruz Vermelha Portuguesa, suspeitando de corrupção passiva, peculato e abuso de poder de altos responsáveis de serviços centrais da Administração Pública do Estado.

Tudo sobre a investigação

A investigação debruçou-se em “indícios da prática de atos ilícitos em procedimentos concursais, em ações de fiscalização que lesaram gravemente o Estado nos seus interesses financeiros, tendo como contrapartidas benefícios individuais dos visados”, explicou na altura a Procuradoria-geral distrital de Lisboa. “A IGF manifesta a sua satisfação pelas diligências hoje efetuadas pelo Ministério Público e pela Polícia Judiciária, em linha com as já realizadas no âmbito da designada ‘operação BUG’, bem como a sua confiança na rápida conclusão das investigações em curso, com vista a pôr termo às atividades ilícitas contra órgãos e instituições do Estado”, disse fonte da IGF em comunicado também nessa altura.

A IGF lembrou que, em 20 de março e em 14 de setembro de 2018, “tinha comunicado às autoridades judiciárias comportamentos indiciadores da prática de atos ilícitos por parte de alguns trabalhadores” e que, nessa sequência, órgãos e instituições públicas, incluindo a IGF, “foram alvo de denúncias caluniosas com indícios de origem interna, as quais foram, igualmente, comunicadas ao Ministério Público”.

LEIA MAIS
Julgamento Rosa Grilo | Sentença só será conhecida dia 10 de janeiro
ÚLTIMA HORA | Camião despista-se e esmaga viaturas em Vagos

Impala Instagram


RELACIONADOS