Independentistas pedem “atenção particular” da SADC ao conflito em Cabinda

A Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC-FAC) pediu à Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) “atenção particular” para o conflito em Cabinda, denunciando a política de militarização de Angola naquela região independentista.

Independentistas pedem

Independentistas pedem “atenção particular” da SADC ao conflito em Cabinda

A Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC-FAC) pediu à Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) “atenção particular” para o conflito em Cabinda, denunciando a política de militarização de Angola naquela região independentista.

“Constatando a incapacidade e indisponibilidade de Angola, a FLEC-FAC apela para uma atenção particular ao conflito em Cabinda” e para “o contributo para a resolução deste conflito” da SADC, disse, em comunicado, a direção político-militar da FLEC-FAC.

O apelo foi dirigido especialmente ao presidente do órgão de Política, Defesa e Segurança da SADC, Mokgweetsi Eric Keabetswe Masisi, e numa altura em que a organização esteve reunida, em Maputo, para analisar a crise na província moçambicana de Cabo Delgado.

“Esquecer o conflito em Cabinda é contribuir no agravamento do ambiente de defesa e segurança na região e um meio de permitir ao estado angolano prosseguir com a sua política de regressão e militarização de Cabinda e dos estados vizinhos”, acrescentou-se no comunicado.

Os independentistas de Cabinda reclamam a autodeterminação do território e o cumprimento do Tratado de Simulambuco.

Assinado em 01 de fevereiro de 1885 entre o Governo português e os autóctones cabindenses, o Tratado de Simulambuco selou a criação de um protetorado português, no qual Portugal se comprometeu a manter a integridade dos territórios.

Os independentistas de Cabinda defendem que o território era uma colónia independente de Portugal e deveria ter sido tratada enquanto tal no processo de independência de Angola.

Em contrapartida, o território, de onde é extraída a grande parte do petróleo de Angola, tornou-se numa província angolana.

A SADC integra 16 países da África Austral, incluindo Angola e Moçambique.

CFF // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS