Ibero-Americana: Marcelo em defesa do multilateralismo, do direito internacional e evoca ação de Guterres

O Presidente da República homenageou hoje as vítimas da pandemia, num discurso em que pediu cooperação global contra a covid-19 e defendeu o multilateralismo, o direito internacional e a ação do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

Ibero-Americana: Marcelo em defesa do multilateralismo, do direito internacional e evoca ação de Guterres

Ibero-Americana: Marcelo em defesa do multilateralismo, do direito internacional e evoca ação de Guterres

O Presidente da República homenageou hoje as vítimas da pandemia, num discurso em que pediu cooperação global contra a covid-19 e defendeu o multilateralismo, o direito internacional e a ação do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

No seu breve discurso na reunião plenária de chefes de Estado e de Governo ibero-americanos, em Andorra, Marcelo Rebelo de Sousa falou de forma emocionada “nos muitos milhares de vítimas da pandemia na vida e na saúde, assim como nos inúmeros milhões de vítimas na economia e na sociedade”.

“Homenagear as vítimas é lembrarmos a coragem de todos os nossos compatriotas. Os portugueses foram e estão a ser exemplares”, sustentou.

De acordo com o Presidente da República, homenagear as vítimas é realizar-se esta cimeira presencial e digital em Andorra em tempos ainda de pandemia.

“Homenagear as vítimas é pensarmos e falarmos nesta cimeira de problemas concretos de pessoas de carne e osso, da vacinação global, justa e de acesso universal, do combate ao desemprego e às desigualdades, e no financiamento da reconstrução económica e social”, considerou.

Neste ponto, o Presidente da República salientou então a importância do apoio às propostas do secretário-geral das Nações Unidas, “o português e, portanto, ibero-americano, António Guterres, com a sua capacidade única de mobilização para que as instituições internacionais cumpram a sua missão ajudando os povos afogados nas suas dívidas públicas”.

Homenagear as vítimas, na perspetiva do chefe de Estado português, é pensar-se nos “mais vulneráveis, nos desadaptados, nos idosos (em especial nas sociedades mais envelhecidas), nos jovens (sobretudo na maioria esmagadora dos irmãos latino-americanos) e nas mulheres que suportam um peso desproporcional na prestação de cuidados e no equilíbrio das famílias e das sociedades”.

“Homenagear as vítimas é reforçarmos o nosso projeto único de dois continentes e de duas línguas, de cooperação, multilateralismo, diplomacia, direito internacional, solidariedade militante, desenvolvimento sustentável verde e inclusivo”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

PMF // JPS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS