Guterres escolhe Bachelet como próxima Alta-Comissária de Direitos Humanos

Guterres escolhe Bachelet como próxima Alta-Comissária de Direitos Humanos

O secretário-geral da ONU, António Guterres, escolheu a ex-Presidente chilena Michelle Bachelet como próxima Alta-Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, indicaram hoje fontes diplomáticas citadas pela agência Efe.

Contudo, a nomeação terá ainda de ser aprovada pela Assembleia Geral, na qual têm assento os 193 Estados membros da organização.

Bachelet substituirá o jordano Zei Ra’ad al-Hussein, que ocupou o cargo desde 2014 e cujo mandato termina no final deste mês.

Guterres informou já os Estados membros da sua escolha, embora não haja, até agora, qualquer documento oficial sobre o assunto, explicaram as fontes diplomáticas.

Entretanto, o gabinete do secretário-geral não quis hoje confirmar a decisão, mas indicou esperar que haja em breve um anúncio formal sobre esse cargo.

A ex-Presidente do Chile foi, entre 2010 e 2013, a primeira diretora-executiva da ONU Mulheres e lidera atualmente uma aliança internacional para a saúde de mães, recém-nascidos e crianças.

Nas últimas semanas, o seu nome foi um dos que surgiram para suceder a Zeid, num cargo ao qual se candidatou publicamente o suíço Nils Melzer, atual relator especial da ONU sobre a tortura.

Zeid destacou-se no cargo pelo tom muito crítico que adotou com Governos e líderes de todo o mundo e anunciou, em dezembro passado, que não se candidataria a um segundo mandato de quatro anos porque não queria fazer concessões políticas para a ele aceder.

Bachelet foi Presidente do Chile em dois períodos: entre 2006 e 2010 e entre 2014 e março deste ano.

ANC // EL

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Guterres escolhe Bachelet como próxima Alta-Comissária de Direitos Humanos

O secretário-geral da ONU, António Guterres, escolheu a ex-Presidente chilena Michelle Bachelet como próxima Alta-Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, indicaram hoje fontes diplomáticas citadas pela agência Efe.