Governo destaca aumento da procura com Programa de Redução Tarifária nos Transportes

O Programa de Apoio à Redução Tarifária nos Transportes Públicos (PART), em funcionamento há um ano, permitiu aumentar em 18% os passageiros na Área Metropolitana de Lisboa e acrescer em 38% os passes vendidos na Área Metropolitana do Porto.

Governo destaca aumento da procura com Programa de Redução Tarifária nos Transportes

Governo destaca aumento da procura com Programa de Redução Tarifária nos Transportes

O Programa de Apoio à Redução Tarifária nos Transportes Públicos (PART), em funcionamento há um ano, permitiu aumentar em 18% os passageiros na Área Metropolitana de Lisboa e acrescer em 38% os passes vendidos na Área Metropolitana do Porto.

Num balanço do PART, que celebra hoje um ano, o Ministério do Ambiente e da Ação Climática disse que “foi possível criar os passes únicos nas Áreas Metropolitanas (em alguns casos o valor do passe reduziu-se em mais de 100 euros) e desenvolver, nas Comunidades Intermunicipais, medidas de redução do preço dos títulos mensais e de reforço da oferta de transportes”.

O programa, lembra a tutela, contou com o apoio de cerca de 120 milhões do Fundo Ambiental, resultado da receita obtida pela taxa adicional de carbono.

Sem dados dos 12 meses de funcionamento do PART, a tutela adiantou que, na Área Metropolitana de Lisboa (AML), de abril a dezembro de 2019, foram transportados cerca de 477 milhões de passageiros, dos quais mais de 398 milhões utilizaram o passe.

No ano passado, o número total de passageiros na AML “registou um aumento superior a 18%, relativamente ao período homólogo”, avançou o Ministério do Ambiente e da Ação Climática, indicando que, neste período, o número de passageiros que passou a utilizar os transportes públicos com maior regularidade aumentou cerca de 32%, o que representa “mais de 97 milhões de utilizações com passe”.

“Sinal do sucesso do programa é o acréscimo, no Metro de Lisboa, em fevereiro, de mais 10,6% dos passageiros comparativamente ao mês homólogo de 2019. No mesmo período, a evolução na Transtejo/Soflusa foi de mais 8,3% (mais 120 mil passageiros)”, refere o comunicado.

Em relação à Área Metropolitana do Porto (AMP), o Governo disse que também se assistiu a um aumento significativo do número de passes Andante vendidos, com “um acréscimo de 38% das unidades vendidas” em fevereiro de 2020, face ao mesmo mês do ano anterior (de 170 mil para 234 mil assinaturas).

“No Metro do Porto, a título de exemplo, registou-se em fevereiro um aumento de 22% no número de passageiros transportados face ao mesmo mês de 2019. Na STCP, para o mesmo período, a evolução foi de mais 5,2%”, apontou o Ministério do Ambiente e da Ação Climática, que tutela os transportes urbanos.

De acordo com o Governo, os transportes são um dos setores da economia que provocam mais emissões de gases com efeito de estufa, pelo que “o PART é uma medida de génese ambiental, mas com enorme relevância social, constituindo-se como um exemplo de transição justa para uma economia neutra em carbono”.

Assinando o 1.º aniversário do PART, o primeiro-secretário da AML, Carlos Humberto Carvalho, considerou que o passe Navegante “entrou na vida de centenas de milhares de utentes, que viram no novo sistema a certeza de uma mobilidade mais livre e sem fronteiras em toda a região metropolitana de Lisboa”.

“Os transportes públicos ganharam um dinamismo assinalável. Mais de 900.000 pessoas passaram a ficar abrangidas pelo sistema Navegante. O número de passageiros que começou a utilizar os transportes públicos com maior regularidade aumentou mais de 20%. A frequência do modo rodoviário, ferroviário, fluvial e metro atingiu, em todos eles, um aumento significativo”, declarou Carlos Humberto Carvalho.

No Orçamento do Estado para 2019, o programa PART contou com 104 milhões de euros do Fundo Ambiental, para que Áreas Metropolitanas e Comunidades Intermunicipais adotassem medidas de redução tarifária nos transportes públicos nos respetivos territórios.

A Área Metropolitana de Lisboa, com mais de 464 mil utilizadores dos transportes públicos, recebeu 74,8 milhões de euros, enquanto a Área Metropolitana do Porto, com 177,5 mil utilizadores, recebeu 15,4 milhões e as 21 Comunidades Intermunicipais um total de 23,2 milhões de euros.

Com o Orçamento do Estado para 2020, o PART vai ter um reforço de 25% da verba disponível, no montante de cerca de 130 milhões de euros.

SSM (RCP/RCS) // ROC

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS