Governo defende que regulação do teletrabalho deve avançar rapidamente

O secretário de Estado Adjunto do Trabalho e da Formação Profissional, Miguel Cabrita, defende a necessidade de “avançar rapidamente” com a regulação do teletrabalho com vista a maximizar as suas oportunidades e a minimizar os riscos.

Governo defende que regulação do teletrabalho deve avançar rapidamente

Governo defende que regulação do teletrabalho deve avançar rapidamente

O secretário de Estado Adjunto do Trabalho e da Formação Profissional, Miguel Cabrita, defende a necessidade de “avançar rapidamente” com a regulação do teletrabalho com vista a maximizar as suas oportunidades e a minimizar os riscos.

O secretário de Estado Adjunto do Trabalho e da Formação Profissional, Miguel Cabrita, defendeu nesta terça-feira, 9 de março, a necessidade de “avançar rapidamente” com a regulação do teletrabalho.

“Temos de enfrentar o desafio do trabalho remoto no quadro do futuro do trabalho, maximizar o seu potencial mas minimizar os seus riscos e isto são desafios que interpelam todos, os decisores políticos, mas também os parceiros sociais, a academia e as pessoas”, disse na conferência intitulada de “Trabalho remoto: uma visão geral das tendências, oportunidades, desafios e riscos”,

A chefe da Unidade de Emprego do Eurofound, Irene Mandl, afirmou que o teletrabalho não é um modelo recente, mas tornou-se “o novo normal” durante a pandemia, defendendo também a necessidade da sua regulamentação, já que “alguma parte do trabalho deverá continuar a decorrer desta forma” após a crise.

Entre as vantagens do teletrabalho, a responsável do Eurofound destacou a “maior inclusão” de trabalhadores, o aumento da flexibilidade e autonomia e o equilíbrio entre a vida profissional e familiar.

Por outro lado, realçou que há riscos como a exclusão de determinados grupos ou o aumento do controlo dos trabalhadores, maior stress e tempo de trabalho ilimitado.

Pandemia evidenciou «pontos fracos» do teletrabalho

Já a presidente do Comité do Emprego, Ilze Zvidrina, salientou que a crise pandémica realçou “alguns dos pontos fracos já existentes” do trabalho remoto e defendeu que é preciso “encontrar o equilíbrio correto”.

“Algumas profissões podem recorrer ao trabalho remoto, outras nem tanto”, frisou.

O diretor da Direção de Emprego, Trabalho e Assuntos Sociais da OCDE, Stefano Scarpetta, referiu que a pandemia provocou “uma crise social grande ao nível do emprego” e que “muitas pessoas tiveram de evoluir para outro tipo de regimes laborais”.

A pandemia veio mostrar que “há muitos trabalhos que podem ser feitos a partir de casa” e também que as empresas “tinham trabalhadores com capacidades” para tal, disse Stefano Scarpetta, considerando ser “provável que haverá uma série de pessoas a trabalhar a partir de casa ou em situações híbridas” após a crise.

Com a pandemia «tudo mudou»

Já os coordenadores do Livro Verde sobre o Futuro do Trabalho em Portugal, Teresa Coelho Moreira e Guilherme Dray, disseram que em 2014 apenas 0,05% da população ativa em Portugal estava em teletrabalho contra 12,3% atualmente.

“Após a pandemia tudo mudou” e há agora “novas oportunidades e novos riscos, razão pela qual é preciso adotar politicas públicas” que garantam liberdade de escolha para gerir a maior flexibilidade e, por outro, a defesa e proteção do teletrabalhador, disse Guilherme Dray.

Teresa Coelho Moreira realçou que há também riscos associados a uma “falta de vigilância” dos algoritmos relacionados com o acesso da entidade empregadora a dados confidenciais, por exemplo.

LEIA AINDA
Quase 4 em cada 10 trabalhadores independentes da Cultura é recibo verde
Quase 4 em cada 10 trabalhadores independentes da Cultura é recibo verde
Perto de quatro em cada 10 trabalhadores independentes da Cultura são prestadores de serviços sem qualquer contrato, o que mostra a “informalidade das relações de trabalho”, segundo dados do Inquérito aos Profissionais Independentes das Artes e Cultura hoje revelados. (… continue a ler aqui)

Impala Instagram


RELACIONADOS