Governador de Gabú preocupado com

Governador de Gabú preocupado com “sinais do extremismo islâmico” na Guiné-Bissau

O governador da região de Gabú, Abdú Sambú, está preocupado com os “sinais do extremismo islâmico” na Guiné-Bissau e instou o Governo a reforçar a vigilância sobre certos grupos que operam no centro de Bissau, a capital.

“Preocupa-me a presença de uma corrente islâmica, transportada para o nosso país, por indivíduos da Guiné-Conacri. Não sei qual é o nome deles. A maioria das lojas e armazéns no mercado de Bandim são de indivíduos dessa corrente”, afirmou, em entrevista à agência Lusa, o governador.

O mercado do Bandim, situado em pleno centro de Bissau, é o principal centro de negócios da Guiné-Bissau. Nos últimos anos, tem sido ocupado maioritariamente por comerciantes oriundos da Guiné-Conacri.

O governador de Gabú, região situada a 200 quilómetros de Bissau, no leste do país, e habitada maioritariamente por pessoas que professam a religião islâmica, exorta o Governo guineense a vigiar melhor as atividades dos membros da corrente islâmica a que se refere.

“Têm uma mesquita ali [ao lado do mercado do Bandim], que deve estar no olho do Governo, para que se saiba o que lá se passa”, alertou Abdú Sambú, também ele muçulmano.

O responsável considera benéfica a proximidade da região de Gabú com a Guiné-Conacri, mas entende que esta também carrega “muitos males”, que terão que ser geridos “para toda a vida”.

Segundo Abdú Sambú, os naturais da Guiné-Conacri já representam 40 por cento da população de Gabú, com tendência para aumentarem e transportarem hábitos que não são iguais aos da Guiné-Bissau, como por exemplo as mulheres de cara e corpo tapados na via pública.

“As nossas escolas têm que estar preparadas, nós teremos que estar preparados, para enfrentar esses desafios”, defendeu Abdú Sambú, preocupado com os “fanatismos”.

“Pode ver esse fanatismo, sem grandes estudos, passando por qualquer bairro, qualquer tabanca [aldeia] do país, [vendo] quantas mesquitas estão a ser construídas”, assinalou o governador de Gabú.

Para Abdú Sambú, “a forma como as mesquitas têm sido espalhadas pelo país é o sinal da fragmentação da população” islâmica guineense, que devia merecer atenção das autoridades.

Sambú defendeu ainda que existem “muitas correntes dentro do Islão” na Guiné-Bissau, ainda que os líderes muçulmanos não o admitam.

De uma maneira ou de outra, o político entende que o Governo “tem que ter mão pesada” para estancar quaisquer sinais de extremismo ou fanatismo que possam surgir no país, o que passa pelo abandono de “certas intervenções” em relação à comunidade muçulmana.

MB // VM

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Governador de Gabú preocupado com “sinais do extremismo islâmico” na Guiné-Bissau

O governador da região de Gabú, Abdú Sambú, está preocupado com os “sinais do extremismo islâmico” na Guiné-Bissau e instou o Governo a reforçar a vigilância sobre certos grupos que operam no centro de Bissau, a capital.