Filhos de “Nino” Vieira indignados com “grupinho de gente” sobre trasladação de restos mortais do pai

A maior parte dos filhos do antigo presidente da Guiné-Bissau João Bernardo “Nino” Vieira estão indignados pela forma como foi feito o processo de trasladação dos restos mortais do pai, que será hoje sepultado na Amura.

Filhos de

Filhos de “Nino” Vieira indignados com “grupinho de gente” sobre trasladação de restos mortais do pai

A maior parte dos filhos do antigo presidente da Guiné-Bissau João Bernardo “Nino” Vieira estão indignados pela forma como foi feito o processo de trasladação dos restos mortais do pai, que será hoje sepultado na Amura.

Em entrevista exclusiva à Lusa, a filha mais velha de João Bernardo “Nino” Vieira, Florença Vieira, disse que os filhos aceitam que o pai seja sepultado na fortaleza da Amura, sede do Estado-Maior General das Forças Armadas do país e local onde já estão sepultados os antigos presidentes eleitos Malam Bacai Sanha e Kumba Ialá, além de Amílcar Cabral.

“Aceitamos, mas não desta forma que o Governo da Guiné-Bissau quer efetuar, porque ‘Nino’, apesar de todos os problemas, é um herói nacional. O ser humano não é perfeito, mas ele merece uma honra digna”, disse à Lusa Florença Vieira.

“O que tudo indica é que foi maquinado por um grupinho de gente”, afirmou, lamentando que o túmulo do seu pai tenha sido profanado na madrugada de domingo e que não tenham permitido aos seus familiares prestarem uma última homenagem.

Florença Vieira pergunta também ao Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, e a Isabel Romano Vieira, viúva de “Nino” Vieira, sobre o local para onde foi levado o corpo do pai.

“Eu lamento, estou triste, e bastante indignada por este procedimento que o Governo da Guiné-Bissau tomou, principalmente o Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló”, disse.

Na entrevista à Lusa, Florença Vieira aponta o dedo ao chefe de Estado, salientando que está a “demonstrar força e prepotência”.

“Hoje não estamos num regime único, estamos num país democrático e mesmo que ‘Nino’ seja património do Estado, os familiares têm direitos. Volto a apelar a Umaro Sissoco Embaló, ele é muçulmano, respeite as outras religiões, porque nenhuma religião desrespeitou os muçulmanos”, sublinhou.

Florença Vieira afirmou também que a República da Guiné-Bissau “não pertence só a uma pessoa” e que os familiares de “Nino” Vieira exigem respeito.

“Nós, os familiares do ‘Nino’, queremos que nos respeitem. Não queremos dinheiro, não queremos nada, mas que nos respeitem, principalmente a nós, filhos. Não é só a Isabel Romano Vieira que tem filhos com ‘Nino’ Vieira”, afirmou.

O antigo presidente guineense deixou 18 filhos reconhecidos, cinco dos quais de Isabel Romano Vieira.

“O Presidente da República desrespeitou-nos. Eu falei diretamente com o Presidente da República, pedi-lhe com dignidade para não fazer esta barbaridade, para deixar os familiares prestarem a última honra ao nosso querido pai. Enganou-me. Pediu-me o meu número de telefone para brincar comigo. Comigo ninguém brinca. Eu não sou analfabeta, nem burra ao quadrado, eu fui à escola, eu sou médica formada”, disse Florença Vieira.

A filha de ‘Nino’ Vieira afirmou também que já “chega de falta de respeito”.

“Nós aguentámos tudo quando o nosso pai foi assassinado”, disse.

O antigo presidente “Nino” Vieira foi assassinado em sua casa em março de 2009. Até hoje, ninguém foi acusado pelo crime e o Ministério Público guineense arquivou o processo.

O Governo da Guiné-Bissau vai trasladar hoje, dia nacional das Forças Armadas do país, os restos mortais do antigo presidente para a Fortaleza da Amura.

MSE/MB // JH

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS