Exército ucraniano anuncia ter expulsado russos de quatro aldeias no nordeste

O exército da Ucrânia anunciou hoje ter expulsado as forças russas de quatro aldeias no norte do país, onde uma contraofensiva já lhe permitiu recuperar milhares de quilómetros quadrados de território em setembro.

Exército ucraniano anuncia ter expulsado russos de quatro aldeias no nordeste

Exército ucraniano anuncia ter expulsado russos de quatro aldeias no nordeste

O exército da Ucrânia anunciou hoje ter expulsado as forças russas de quatro aldeias no norte do país, onde uma contraofensiva já lhe permitiu recuperar milhares de quilómetros quadrados de território em setembro.

“Graças às operações bem-sucedidas, as nossas tropas expulsaram o inimigo das localidades de Karmazynivka, Myasojarivka e Nevske, na região de Lugansk, e de Novosadove, na região de Donetsk”, localidades situadas perto umas das outras, indicou na rede social Facebook o Estado-Maior ucraniano.

Também hoje, as forças armadas da Ucrânia reivindicaram hoje a reconquista de mais dez localidades em Kherson (leste), uma das quatro regiões anexadas pela Rússia no final de setembro.

O Ministério da Defesa ucraniano disse que as novas reconquistas ocorreram durante o fim de semana, numa mensagem divulgada na rede social Telegram citada pela agência espanhola Europa Press.

Segundo o ministério, já foram libertadas 90 localidades que estavam sob controlo russo, abrangendo “mais de 12.000 pessoas que vivem” nessas áreas.

As autoridades também indicaram que “medidas de estabilização complexas” foram postas em prática nas localidades reconquistadas aos russos.

A Rússia proclamou, em 30 de setembro, a anexação das regiões ucranianas de Kherson, Zaporijia, Donetsk e Lugansk, que correspondem a 18 por cento da área da Ucrânia.

Moscovo já tinha anexado a península ucraniana da Crimeia, em 2014.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas — mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,7 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.374 civis mortos e 9.776 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

ANC (PNG) // PDF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS