Exército birmanês matou e violou centenas de rohingyas

A Amnistia Internacional (AI) denunciou hoje que as forças de segurança da Birmânia mataram centenas de pessoas numa campanha sistemática para expulsar os muçulmanos rohingyas, e pediu um embargo de armas ao país.

Exército birmanês matou e violou centenas de rohingyas

Exército birmanês matou e violou centenas de rohingyas

A Amnistia Internacional (AI) denunciou hoje que as forças de segurança da Birmânia mataram centenas de pessoas numa campanha sistemática para expulsar os muçulmanos rohingyas, e pediu um embargo de armas ao país.

A Amnistia Internacional (AI) denunciou hoje que as forças de segurança da Birmânia mataram centenas de pessoas numa campanha sistemática para expulsar os muçulmanos rohingyas, e pediu um embargo de armas ao país.

Em relatório, a organização não-governamental de defesa dos direitos humanos AI afirmou que pelo menos centenas de pessoas foram mortas pelas forças de segurança, que rodearam localidades, atingiram a tiro residentes em fuga e incendiaram edifícios, onde se encontravam idosos, doentes e deficientes que não puderam fugira. Nalgumas localidades, mulheres e meninas foram violadas ou sujeitas a violência sexual, de acordo com o relatório da AI para o qual foram entrevistados mais de 120 rohingyas.

Testemunhas descreveram repetidamente uma insígnia nos uniformes dos atacantes que corresponde à usada pelas tropas do Comando Ocidental da Birmânia, segundo a AI. Mais de 580 mil refugiados chegaram ao Bangladesh desde 25 de agosto, quando as forças de segurança da Birmânia iniciaram uma ofensiva contra as aldeias rohingya. O governo birmanês disse estar a responder a ataques de insurgentes muçulmanos, mas as Nações Unidas disseram que a resposta foi desproporcionada.

Matthew Wells, investigador da AI que passou várias semanas na fronteira entre a Birmânia e o Bangladesh, disse que centenas de rohingyas apresentaram ferimentos causados por balas e que os médicos afirmaram que estes eram consistentes com um cenário em que alguém é baleado nas costas enquanto foge.

Segundo Wells, a indicação de várias centenas de mortos refere-se a apenas cinco aldeias onde a AI esteve a investigar, o que levou a organização a acreditar que o número é muito superior.

Casas ficaram devastadas

Imagens de satélite, confirmadas por testemunhas, mostraram casas de rohingyas e mesquitas totalmente queimadas em aldeias da minoria, enquanto outras zonas a apenas 100 ou 200 metros ficaram intocadas.

“Isto mostra o quão organizada e bem planeada é esta campanha incendiária do exército birmanês e quão determinado tem sido o esforço de expulsar a população rohingya do país”, disse.

 

A AI pediu ao Conselho de Segurança da ONU que imponha um embargo de armas alargado no país e implemente sanções financeiras contra os dirigentes responsáveis por violações que a organização afirmou corresponderem aos critérios de crimes contra a humanidade.

Antes da operação militar de 25 de agosto, que motivou a atual fuga de rohingyas para o Bangladesh, estimava-se que cerca de um milhão de rohingyas vivia no estado de Rakhine, onde são alvo de crescente discriminação desde a violência sectária de 2012 que causou pelo menos 160 mortos.

A Birmânia não reconhece a cidadania aos rohingya e há vários anos que lhes impõe severas restrições, incluindo a privação de liberdade de movimentos.

Outros artigos em destaque

Ministra da Administração Interna diz que pediu para sair logo após Pedrógão
Ministra da Administração Interna diz que pediu para sair logo após Pedrógão
Psiquiatra de Carrilho faz revelações assustadoras sobre sanidade mental do ex-marido de Bárbara
Psiquiatra de Carrilho faz revelações assustadoras sobre sanidade mental do ex-marido de Bárbara
Sobreviveu duas vezes ao cancro e trabalha no hospital oncológico que a salvou
Sobreviveu duas vezes ao cancro e trabalha no hospital oncológico que a salvou
Luísa Sobral quebra o silêncio e fala sobre saúde do irmão, Salvador Sobral
Luísa Sobral quebra o silêncio e fala sobre saúde do irmão, Salvador Sobral
Pivô da SIC Bento Rodrigues responde a ministra da Administração Interna: «Nunca mais terão férias»
Pivô da SIC Bento Rodrigues responde a ministra da Administração Interna: «Nunca mais terão férias»

Impala Instagram


RELACIONADOS