Ex-PR de Moçambique Joaquim Chissano satisfeito com processo eleitoral em Angola

O ex-presidente moçambicano Joaquim Chissano, que está como observador nas eleições gerais de Angola, realizadas na quarta-feira, mostrou-se hoje satisfeito com o processo eleitoral a que assistiu.

Ex-PR de Moçambique Joaquim Chissano satisfeito com processo eleitoral em Angola

Ex-PR de Moçambique Joaquim Chissano satisfeito com processo eleitoral em Angola

O ex-presidente moçambicano Joaquim Chissano, que está como observador nas eleições gerais de Angola, realizadas na quarta-feira, mostrou-se hoje satisfeito com o processo eleitoral a que assistiu.

“Estou satisfeito com o que vi e, até aqui, não ouvi nenhum barulho. Pelo que vejo ontem e hoje na televisão tenho a impressão que tudo continua calmo”, afirmou Joaquim Chissano, que minimizou as críticas da oposição, liderada pela União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), ao processo eleitoral.

“As discussões que há são normais, cada um defende o seu ponto de vista”, mas “toda a gente aceitou participar” nas eleições “e os resultados parciais estão a sair agora”.

Na quarta-feira, na qualidade de observador convidado pelo Presidente da República, que concorre a um segundo mandato pelo Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), Chissano assistiu a um “processo muito pacífico”.

“Pude assistir à contagem numa assembleia com oito mesas e em todas as mesas os delegados e os funcionários da CNE (Comissão Nacional Eleitoral) estavam a fazer o seu trabalho com perícia”, afirmou.

“Quando havia dúvidas na marcação dos boletins de voto, às vezes poderia haver uma opinião contrária, mas isso é normal”, minimizou o antigo chefe de Estado moçambicano que já havia estado este mês em Nairobi, nas eleições quenianas, também como observador.

No Quénia, as autoridades “tinham abolido a afixação das atas nas janelas”, com os resultados de cada assembleia de voto e “isso deu um pouco de barulho” e foi criticado por observadores.

Em Angola, as atas-síntese, assinadas por delegados de todas os partidos de cada assembleia, foram publicadas e os dados estão a ser contados pela CNE.

“Estou satisfeito”, disse Chissano, admitindo que, no Quénia, o registo biométrico permitiu validar melhor o voto de cada eleitor, minimizando a fraude.

Em Angola, não há registo biométrico e houve casos de eleitores a votar com documentos caducados, mas Joaquim Chissano minimizou essa diferença.

“Os países não podem ser obrigados a conhecer todas as tecnologias. O que é preciso é cumprir o método combinado com a oposição e isto está a ser feito aqui”, resumiu.

A Comissão Nacional Eleitoral (CNE) angolana anunciou hoje que o MPLA (poder) mantém vantagem, com 52,08% dos votos, seguido da UNITA (oposição), com 42,98%, quando estão escrutinados 86,41% dos votos das eleições gerais desta quarta-feira.

Com 77,12% dos votos apurados em Luanda, a União Nacional para a Libertação Total de Angola (UNITA) lidera com 62,93% dos votos e o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) segue em segunda posição com 33,06%, segundo a CNE.

 

PJA // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS