1. HOME >
  2. NOTICIAS >
  3. POLITICA
Ex-diretor de campanha de Trump acusado de partilhar informação com Putin

Ex-diretor de campanha de Trump acusado de partilhar informação com Putin

O ex-presidente da campanha Trump Paul Manafort partilhou dados sobre sondagens durante a campanha presidencial de 2016 com um sócio acusado de ter ligações com os serviços de inteligência russos e os procuradores dizem que ele mentiu sobre o assunto.

Segundo um processo judicial citado pela agência Associated Press (AP), trata-se da primeira vez que a equipa dos escritórios de Robert Muller acusa Paul Manafort de partilhar informações relacionadas com as eleições presidenciais com os seus contactos russos.

Embora a declaração não diga se a informação relacionada com a sondagem foi tornada pública ou não, levanta a possibilidade de a Rússia ter usado informações internas da campanha como parte de seu esforço para interferir na eleição em nome de Trump.

Esta acusação pode ter um papel importante na investigação em curso por parte da equipa de Robert Muller sobre a eventual coordenação entre a campanha de Trump e o Kremlin.

A informação foi acidentalmente revelada na terça-feira num documento da defesa, segundo a AP, que conseguiu ver estes dados pois o acesso ao documento não estava devidamente desativado.

Manafort esteve entre os primeiros americanos acusados na investigação de Mueller e esteve entre os personagens centrais do caso, tendo liderado a campanha durante a convenção republicana e, como dizem os serviços de inteligência dos EUA, a Rússia estava a fazer tudo para influenciar a eleição a favor de Trump.

O ex-diretor de campanha de Trump assumiu a culpa das acusações de conspiração em Washington e enfrenta uma condenação num outro caso na Virgínia.

O documento da defesa tinha como objetivo refutar as alegações de que Manafort mentiu intencionalmente à equipa de Mueller depois de concordar declarar-se culpado em setembro passado.

Os procuradores dizem que Manafort violou o acordo por mentir, mas os advogados de defesa argumentaram que quaisquer distorções eram simples erros cometidos por um homem que lidava com algumas doenças, exaustão e um extenso interrogatório por parte dos investigadores.

Os advogados de defesa disseram que Manafort sofre de depressão e ansiedade, teve pouco contacto com sua família e, nos dias em que se encontrou com investigadores, foi acordado antes do amanhecer para ter longos interrogatórios com pouco tempo para se preparar.

“Essas circunstâncias pesaram muito sobre o estado mental de Manafort e sobre sua memória quando ele foi longamente questionado”, escreveram os advogados.

Um porta-voz da equipa de defesa de Manafort se recusou a comentar as alegações de Mueller, mas os advogados acabaram por fazer uma versão corrigida do documento.

O documento contém novas informações sobre as ligações de Manafort a Konstantin Kilimnik, um associado de negócios russo-ucraniano que foi indiciado no ano passado por ter interferido com potenciais testemunhas.

Os EUA acreditam que Kilimnik está ligado aos serviços de inteligência russos, mas Konstantin, que não está sob custódia dos EUA, negou tais ligações.

As últimas alegações detalham ainda mais como o trabalho de Manafort na campanha se cruzou com seu trabalho internacional com Kilimnik.

LEIA MAIS: Previsão do tempo para quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

Mensagens de correio eletrónico abordados anteriormente pela AP e por outras agências de notícias mostram que, em julho de 2016, Manafort disse a Kilimnik que estava disposto a fazer “briefings privados” sobre a campanha de Trump a Oleg Deripaska, um bilionário russo ligado ao presidente Vladimir Putin.

Através do seu porta-voz, Manafort reconheceu abordar a possibilidade dos ‘briefings’, mas disse que eles nunca ocorreram.

Além disso, o documento da defesa divulga uma reunião em Madrid entre Manafort e Kilimnik.

Os procuradores dizem que Manafort reconheceu a reunião somente após ser informado de que eles estavam na mesma cidade no mesmo dia. O porta-voz de Manafort, Jason Maloni, disse na terça-feira que a viagem a Madrid mencionada no documento ocorreu em janeiro ou fevereiro de 2017,- meses depois de Manafort ter sido expulso da campanha e quando Trump estava já a assumir o cargo.

Manafort também não revelou inicialmente ter discutido anteriormente um plano de paz da Ucrânia com Kilimnik em mais de uma ocasião durante a campanha, de acordo com o documento.

A Rússia e a Ucrânia estão envolvidas num conflito desde 2014 por causa da anexação da Crimeia pela Rússia. Os EUA e a União Europeia impuseram sanções à Rússia por esse motivo, bem como pelo apoio do país a rebeldes separatistas no leste da Ucrânia.

Os advogados de Manafort não especificam os detalhes do plano de paz, mas escreveram que Manafort disse aos procuradores em setembro que “teria pensado no plano de paz ucraniano, se a questão não tivesse sido levantada durante o período em que ele esteve envolvido com o trabalho da campanha presidencial”.

Os promotores também acusaram Manafort de mentir sobre seus contatos com funcionários da administração Trump, o que os advogados de defesa negam.

LEIA MAIS: Bruno de Carvalho não vê a filha há quatro meses e apaga declaração de amor a Joana Ornelas

O documento diz que uma troca de mensagens de texto em 26 de maio de 2018 com Manafort envolveu um “terceiro elemento”, não identificado, que pediu permissão para nomear Manafort se a pessoa se encontrasse com Trump. O pedido para usar Manafort como uma ‘ponte’ para Trump surgiu quando o ex-diretor de campanha já tinha sobre si duas acusações em dois outros casos federais.

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Ex-diretor de campanha de Trump acusado de partilhar informação com Putin

O ex-presidente da campanha Trump Paul Manafort partilhou dados sobre sondagens durante a campanha presidencial de 2016 com um sócio acusado de ter ligações com os serviços de inteligência russos e os procuradores dizem que ele mentiu sobre o assunto.