Europa e EUA exigem uma “investigação urgente” da ICAO ao desvio do avião na Bielorrússia

Os membros europeus do Conselho de Segurança da ONU e os Estados Unidos, numa declaração conjunta, exigiram hoje à Organização Internacional de Aviação Civil (ICAO) para investigar “urgentemente” as circunstâncias do desvio, domingo, de um avião comercial na Bielorrússia.

Europa e EUA exigem uma

Europa e EUA exigem uma “investigação urgente” da ICAO ao desvio do avião na Bielorrússia

Os membros europeus do Conselho de Segurança da ONU e os Estados Unidos, numa declaração conjunta, exigiram hoje à Organização Internacional de Aviação Civil (ICAO) para investigar “urgentemente” as circunstâncias do desvio, domingo, de um avião comercial na Bielorrússia.

A declaração foi aprovada numa reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas, em que os signatários consideram tratar-se de um incidente “sem precedentes e inaceitável” e que os responsáveis devem ser “responsabilizados”.

A Estónia, França, Irlanda, Noruega, Reino Unido e Estados Unidos, apoiados também por dois antigos membros do Conselho de Segurança, Alemanha e Bélgica, condenaram “veementemente” o incidente e exigiram a “libertação imediata” do “jornalista independente” Roman Protasevich e da sua namorada russa Sofia Sapega, ambos detidos em Minsk após o avião da Ryanair ter aterrado.

A reunião do Conselho de Segurança da ONU, que decorreu em formato virtual e à porta fechada, foi convocada com caráter de urgência pela Estónia, França e Irlanda.

A obrigação de o avião aterrar, “em bases falsas”, em Minsk, “põe em perigo a segurança da aviação”, acrescenta-se no comunicado. 

“Estes atos constituem um flagrante ataque à segurança da aviação civil internacional e à segurança europeia e testemunham um flagrante desrespeito pelo direito internacional”, afirma o texto.

A declaração acontece na véspera da reunião do corpo diretivo da ICAO, se se encontrará quinta-feira de emergência para analisar o incidente.

“O presidente do Conselho da ICAO convocou uma reunião de emergência dos 36 representantes diplomáticos do Conselho para 27 de maio, após o incidente envolvendo o voo FR4978 da Ryanair no espaço aéreo da Bielorrússia”, publicou na rede social Twitter a agência, com sede em Montreal, no Canadá, sem mais pormenores.

A Bielorrússia sustenta que o avião, que fazia a ligação aérea entre Atenas e Vílnius, foi desviado domingo para Minsk após uma ameaça de bomba a bordo.

Fontes diplomáticas citadas pela agência noticiosa France-Presse (AFP) indicaram que os promotores da reunião do Conselho de Segurança não tentaram obter uma declaração conjunta do órgão, tendo em conta a oposição da Rússia.

Desde domingo que Moscovo tem dado apoio explícito à Bielorrússia. 

Durante a reunião do Conselho, o vice-embaixador russo, Dmitry Polyanskiy, usou a frase “notícias falsas” para descrever a forma como europeus e norte-americanos têm tratado o assunto, e reafirmou o apoio da Rússia às explicações de Minsk.

Recordando que vários países já tomaram medidas sancionatórias contra a Bielorrússia, os signatários da declaração indicaram, sem pormenorizar, que irão intensificar os esforços, nomeadamente coordenando as políticas de sanções, “para garantir que as autoridades bielorrussas assumam a responsabilidade pelas suas ações”.

 

JSD // EL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS