EUA aprovam1,7 triliões de dólares para agências federais e ajuda à Ucrânia

O Senado norte-americano aprovou hoje despesas de 1,7 triliões de dólares que financia agências federais até setembro e providencia ajuda militar e económica à Ucrânia, um dia após o discurso dramático do Presidente ucraniano no Congresso.

EUA aprovam1,7 triliões de dólares para agências federais e ajuda à Ucrânia

EUA aprovam1,7 triliões de dólares para agências federais e ajuda à Ucrânia

O Senado norte-americano aprovou hoje despesas de 1,7 triliões de dólares que financia agências federais até setembro e providencia ajuda militar e económica à Ucrânia, um dia após o discurso dramático do Presidente ucraniano no Congresso.

O projeto de lei, que tem 4.155 páginas, inclui cerca de 772,5 mil milhões de dólares para programas domésticos e 888 mil milhões de dólares para a defesa e financiamento de agências federais até ao final do ano fiscal, no final de setembro.

A iniciativa legislativa foi aprovada por uma votação de 68-29 e agora seguirá para a Câmara para uma votação final, antes de poder ser enviada ao Presidente Joe Biden para ser assinada em lei.

“Este é um dos pacotes de dotações mais significativos que fizemos em muito tempo”, disse o líder da maioria do Senado, Chuck Schumer, acrescentando: “O leque de pessoas que ajuda é grande e profundo”.

Os legisladores aceleraram para obter a aprovação do projeto de lei, antes de um encerramento parcial do Governo, à meia-noite de sexta-feira.

Muitos estavam ansiosos por completar a tarefa antes do previsto agravamento das condições climatéricas, que os poderiam deixar bloqueados em Washington, antes das férias, e outros tentavam anteceder-se a uma nova representação para o próximo ano.

Os senadores ouviram Zelenskyy falar da importância da ajuda dos Estados Unidos ao seu país para a guerra com a Rússia, na noite de quarta-feira.

A medida prevê cerca de 45 mil milhões de dólares em assistência militar, económica e humanitária à nação devastada e aos aliados da NATO, mais do que Biden pediu, elevando a assistência total, até agora, para mais de 100 mil milhões de dólares.

“O vosso dinheiro não é caridade”, disse Zelenskyy aos legisladores e aos americanos que assistiam à sua intervenção a partir das suas casas.

“É um investimento na segurança global e na democracia que lidamos da forma mais responsável”, prosseguiu.

Os legisladores estavam em desacordo sobre quais as emendas a serem votadas, para que a votação final se realizasse de forma expedita.

Os impasses tinham o potencial de impedir a aprovação do projeto de lei antes da meia-noite de sexta-feira. Mas as negociações durante a noite levaram a um avanço e os senadores reuniram-se cedo na manhã de hoje para trabalharem através de mais de uma dúzia de emendas, antes de chegarem a uma votação final.

O projeto de lei de despesas é apoiado por Schumer e pelo líder republicano do Senado Mitch McConnell, embora por razões diferentes.

McConnell citou o aumento de 10% nos gastos com a defesa, que segundo ele dará às Forças Armadas Americanas o financiamento e a garantia necessários para garantir a segurança do país.

“Os maiores militares do mundo terão o aumento de financiamento de que necessitam, ultrapassando a inflação”, disse McConnell, que enfrentou o empurrão de muitos republicanos que não apoiam a lei das despesas e se ressentem de serem forçados a votar num pacote tão maciço, com tão pouco tempo antes de um possível encerramento e do feriado de Natal.

SMM // RBF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS