Etiópia: ONU considera situação de malnutrição em Tigray “muito crítica”

A Organização das Nações Unidas (ONU) disse hoje que a região de Tigray, marcada pelos conflitos, está numa “situação muito crítica de malnutrição”, dado que várias zonas rurais para as quais muitas pessoas fugiram continuam sem ajuda.

Etiópia: ONU considera situação de malnutrição em Tigray

Etiópia: ONU considera situação de malnutrição em Tigray “muito crítica”

A Organização das Nações Unidas (ONU) disse hoje que a região de Tigray, marcada pelos conflitos, está numa “situação muito crítica de malnutrição”, dado que várias zonas rurais para as quais muitas pessoas fugiram continuam sem ajuda.

A agência humanitária da ONU também afirmou, num novo relatório citado pela Associated Press (AP), que as forças de defesa da Etiópia continuam a ocupar um hospital na cidade de Abi Adi, “impedindo que até 500 mil pessoas acedam aos serviços de saúde”, numa região onde o sistema de saúde colapsou em grande escala, depois de saques e de fogo de artilharia.

As preocupações crescem acerca do destino das cerca de seis milhões de pessoas da região de Tigray, dado que os combates continuam intensos entre as forças etíopes e aliadas e as apoiantes dos líderes fugitivos do Tigray, que anteriormente dominavam o Governo da Etiópia, segundo a AP.

“As necessidades são tremendas, mas não podemos fingir que não vemos ou ouvimos o que se está a passar”, disse a presidente etíope Sahle-Work Zewde, numa declaração na sexta-feira, depois de visitar a capital de Tigray, Mekele.

Num dos comentários públicos mais francos até agora proferidos pelo Governo da Etiópia, a presidente assinalou os “atrasos significativos” de apoios “que continuam sem chegar às pessoas necessitadas”, refere a AP.

Na sexta-feira, as autoridades etípoes disseram que a ajuda humanitária chegou a 2,7 milhões de pessoas no Tigray, mas o relatório da ONU indica que a resposta atual é “drasticamente inadequada”, mesmo que tenha sido feito algum progresso.

O Governo da Etiópia nega a presença de soldados eritreus no Tigray, mas as autoridades interinas da região confirmaram a sua presença e acusaram-nas de saquear ajuda alimentar, de acordo com uma recente entrevista à rádio Voz da América.

A região tem sido palco de confrontos desde que o primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, lançou, em 04 de novembro, uma operação militar contra as forças da Frente Popular de Libertação do Tigray, que governava a região e que desafiou a autoridade federal durante vários meses.

JE (CFF) // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS