Estados Unidos juntam-se a 55 países para proteger internet livre e gratuita

Os Estados Unidos juntaram-se hoje a mais de 55 países numa iniciativa para garantir uma Internet segura e gratuita, perante a ameaça do aumento de regimes autoritários, como na Rússia, onde o acesso a informações digitais é restrito.

Estados Unidos juntam-se a 55 países para proteger internet livre e gratuita

Estados Unidos juntam-se a 55 países para proteger internet livre e gratuita

Os Estados Unidos juntaram-se hoje a mais de 55 países numa iniciativa para garantir uma Internet segura e gratuita, perante a ameaça do aumento de regimes autoritários, como na Rússia, onde o acesso a informações digitais é restrito.

Os Estados Unidos juntaram-se hoje a mais de 55 países numa iniciativa para garantir uma Internet segura e gratuita, perante a ameaça do aumento de regimes autoritários, como na Rússia, onde o acesso a informações digitais é restrito. Apelidada de “declaração para o futuro da Internet”, esta iniciativa visa estender a “tremenda promessa” que esta rede oferece, disse a Casa Branca em comunicado, referindo-se à urgência de impedir o “aumento do autoritarismo digital” e de garantir o fortalecimento das democracias, numa economia global livre.

Uma fonte da Casa Branca lembrou que, desde a invasão da Ucrânia, em fevereiro, “a Rússia promoveu agressivamente a desinformação dentro e fora de fronteiras, censurou fontes de notícias da Internet, bloqueou ou desativou ‘sites’ legítimos e atacou fisicamente a infraestrutura da Internet na Ucrânia”.

Saiba quais foram os leilões com maior licitação no último ano
Um sofá foi arrematado por 1,6 milhões de dólares e foi o oitavo artigo arrematado entre os leilões com mais lucro no último ano. Por mais absurdo que pareça, este valor foi completamente ofuscado por um quadro de Picasso (… continue a ler aqui)

Pelo menos 55 países aderiram já esta iniciativa, incluindo países como Austrália, Reino Unido, Canadá, França, Alemanha e Japão, além de outros como Argentina, Chipre, Quénia, Montenegro, Eslovénia e Ucrânia. Embora não seja juridicamente vinculativa, a declaração estabelece “princípios fundamentais” e “compromete os governos a promover uma Internet aberta, livre, global, interoperável, confiável e segura para o mundo”, de acordo com a Casa Branca.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, já reagiu a esta decisão do Governo dos EUA, dizendo que “o futuro da Internet é também o futuro da democracia”. “Hoje, pela primeira vez, países com ideias semelhantes, em todo o mundo, estão a estabelecer uma visão compartilhada para o futuro da Internet, para garantir que os valores que defendemos ‘offline’ também sejam protegidos ‘online'”, disse Von der Leyen.

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS