Estado da Nação: “Não podemos voltar à política das maiorias absolutas que nos perderam” – BE

A coordenadora do BE defendeu que o que foi feito nesta legislatura é “o melhor guia para o muito que falta fazer”, avisando que não se pode “voltar à política das maiorias absolutas”.

Estado da Nação:

Estado da Nação: “Não podemos voltar à política das maiorias absolutas que nos perderam” – BE

A coordenadora do BE defendeu que o que foi feito nesta legislatura é “o melhor guia para o muito que falta fazer”, avisando que não se pode “voltar à política das maiorias absolutas”.

Na intervenção que fez do púlpito do parlamento durante o debate do estado da nação, Catarina Martins fez uma revisitação aos principais momentos – e figuras políticas – que marcaram a legislatura que caminha agora para o final, na qual considerou que “a política do medo e da ameaça foi derrotada”.

“Está tanto por fazer. Não podemos voltar à política das maiorias absolutas que nos perderam. A responsabilidade política é procurar resposta aos problemas do nosso tempo e o Bloco de Esquerda assume essa responsabilidade”, afirmou.

A líder bloquista insistiu numa ideia que já tinha definido no primeiro pedido de esclarecimento que fez ao primeiro-ministro, António Costa.

“Voltássemos a 2015 e o Bloco faria tudo de novo. O que fizemos é o melhor guia para o muito que falta fazer”, atirou, mesmo na última frase da intervenção.

A proposta dos bloquistas, segundo Catarina Martins, é “construir os caminhos para fazer o que importa”, ou seja, “democratizar a economia para vivermos sem medo, proteger o emprego, criar habitação acessível, salvar o Serviço Nacional de Saúde”.

JF // JPS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS