Entradas irregulares nas fronteiras externas da UE com subida homóloga de 82% até maio

As entradas irregulares nas fronteiras externas da União Europeia entre janeiro e maio deste ano subiram 82% face ao mesmo período de 2021, para 86.420, anunciou hoje a Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira (Frontex).

Entradas irregulares nas fronteiras externas da UE com subida homóloga de 82% até maio

Entradas irregulares nas fronteiras externas da UE com subida homóloga de 82% até maio

As entradas irregulares nas fronteiras externas da União Europeia entre janeiro e maio deste ano subiram 82% face ao mesmo período de 2021, para 86.420, anunciou hoje a Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira (Frontex).

“Entre janeiro e maio, foram detetadas 86.420 entradas irregulares nas fronteiras externas da União Europeia, de acordo com cálculos preliminares. Isto é 82% mais do que no mesmo período do ano passado”, indica a Frontex em comunicado.

Só relativamente a maio, a agência registou cerca de 23.500 travessias irregulares, um aumento de 75% em relação ao mesmo mês do ano passado, acrescenta.

As pessoas que fogem da guerra na Ucrânia e entram na UE não fazem parte dos números de entradas ilegais detetados, mas, de acordo com os mais recentes dados da Frontex, mais de 5,5 milhões de ucranianos entraram na União provenientes da Ucrânia e da Moldávia desde o início da invasão russa, em fevereiro passado.

Consideradas para os dados hoje divulgados foram as deteções de travessias irregulares de fronteiras nas fronteiras externas da UE, sendo que a mesma pessoa pode tentar atravessar a fronteira várias vezes em locais diferentes.

A Frontex adianta que, nos primeiros cinco meses de 2022, as rotas migratórias mais ativas para a UE foram as rotas dos Balcãs Ocidentais, do Mediterrâneo Central e do Mediterrâneo Oriental.

Destas, destaca-se a rota dos Balcãs Ocidentais, que registou 40.675 travessias ilegais, ou seja, metade do número total registado nas fronteiras da UE entre janeiro e maio e quase três vezes superior ao do mesmo período do ano passado. As principais nacionalidades nesta rota incluíam sírios e afegãos, que, na sua maioria, já se encontravam nos Balcãs Ocidentais antes de tentar entrar na UE.

Na do Mediterrâneo Central, as deteções permaneceram relativamente estáveis, com cerca de 16.828 passagens ilegais da fronteira, um aumento de 15% em relação ao mesmo período do ano passado e cujas principais nacionalidades foram egípcios, bengaleses e tunisinos.

Já na rota do Mediterrâneo Oriental, houve um aumento homólogo de 116% nas passagens ilegais nos cinco primeiros meses do ano, para 13.668, com grande parte dos migrantes oriundos da Nigéria, Síria e Congo, adianta a Frontex.

ANE // MSF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS