Empresário canadiano condenado a 11 anos de prisão pela China

Um tribunal chinês sentenciou o canadiano Michael Spavor a 11 anos de prisão por “fornecer ilegalmente segredos de Estado e informações secretas a forças estrangeiras”.

Empresário canadiano condenado a 11 anos de prisão pela China

Empresário canadiano condenado a 11 anos de prisão pela China

Um tribunal chinês sentenciou o canadiano Michael Spavor a 11 anos de prisão por “fornecer ilegalmente segredos de Estado e informações secretas a forças estrangeiras”.

Pequim, 11 ago 2021 (Lusa) – Um tribunal chinês sentenciou hoje o canadiano Michael Spavor a 11 anos de prisão por “fornecer ilegalmente segredos de Estado e informações secretas a forças estrangeiras”, uma decisão já condenada pelo Canadá.

“Condenamos esta decisão. Há a possibilidade de apresentar recurso, o que vai ser discutido com os advogados”, afirmou o embaixador canadiano na China, Dominic Barton, numa declaração à imprensa em Dandong (nordeste), onde Michael Spavor foi julgado.

O Tribunal Popular Intermédio de Dandong anunciou a sentença, numa declaração publicada no seu ‘site’: “Foi condenado a 11 anos de prisão, à confiscação de bens no valor de 50.000 yuan [6.581 euros] e à expulsão”.

Spavor foi julgado em março, mas o tribunal decidiu que o veredito seria anunciado em data a determinar.

Em junho do ano passado, a China apresentou queixa contra Spavor por “fornecer ilegalmente segredos de Estado e informações secretas a forças estrangeiras”, enquanto outro canadiano, Michael Kovrig, era acusado de os ter roubado.

De acordo com o Tribunal Popular Intermédio Número dois de Pequim, em março, o veredito de Kovrig, um diplomata de licença que na altura da sua detenção trabalhava para o grupo de reflexão do Grupo de Crise – será também anunciado “numa data a ser determinada”.

Spavor, que se dedicava a estabelecer negócios com a Coreia do Norte, está preso desde 10 de dezembro, numa detenção que o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, qualificou “de arbitrária”.

Diplomatas da Alemanha e dos Estados Unidos também se deslocaram a Dandong para ouvir o veredito, enquanto diplomatas de 25 países se reuniram na representação diplomática canadiana em Pequim.

Tanto Spavor como Kovrig foram presos poucas horas depois de o Canadá ter detido a diretora financeira da Huawei e filha do fundador da empresa chinesa Meng Wanzhou, em dezembro de 2018 em Vancouver, onde fazia uma escala a caminho do México, a pedido dos Estados Unidos, que pretendiam acusar Meng de fraude bancária para violar as sanções comerciais norte-americanas contra o Irão.

O processo de extradição de Meng está ainda a decorrer no Supremo Tribunal da província de British Columbia, na costa do Pacífico canadiano.

Meng, cuja libertação tem sido repetidamente exigida por Pequim, está em liberdade condicional e vive com a família numa das duas mansões que possui em Vancouver.

Spavor e Kovrig têm sido mantidos em isolamento, com visitas limitadas ao pessoal consular canadiano, e em celas iluminadas 24 horas por dia, de acordo com a imprensa norte-americana.

Este caso prejudicou as relações entre o Canadá e a China, e também entre Pequim e Washington.

EJ // JMC

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS