Emissão de obrigações satisfaz 24% das necessidades de financiamento de Portugal em 2020

O Ministério das Finanças anunciou hoje que a primeira emissão de Obrigações do Tesouro de 2020 permitiu satisfazer cerca de 24% das necessidades de financiamento da República Portuguesa no ano.

Emissão de obrigações satisfaz 24% das necessidades de financiamento de Portugal em 2020

Emissão de obrigações satisfaz 24% das necessidades de financiamento de Portugal em 2020

O Ministério das Finanças anunciou hoje que a primeira emissão de Obrigações do Tesouro de 2020 permitiu satisfazer cerca de 24% das necessidades de financiamento da República Portuguesa no ano.

Num comunicado, o ministério liderado por Mário Centeno refere que “a República Portuguesa fez hoje a sua primeira emissão de Obrigações do Tesouro (OT) de 2020, tendo colocado 4.000 milhões de euros de uma nova OT com maturidade em outubro de 2030, num quadro de condições de financiamento particularmente favoráveis que traduzem o apetite dos investidores pela dívida portuguesa”.

“Esta emissão sindicada permitiu satisfazer desde já cerca de 24% das necessidades de financiamento da República Portuguesa no ano de 2020”, adianta o comunicado.

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) colocou hoje no mercado 4.000 milhões de euros de dívida a 10 anos, com uma taxa de 0,499%, anunciou hoje a entidade presidida por Cristina Casalinho.

De acordo com o IGCP, a procura de OT que vencem em 18 de outubro de 2030 atingiu os 25.000 milhões de euros e foi sindicada, já que o IGCP mandatou o Citi, o Deutsche Bank, o Goldman Sachs, o HSBC, o J.P. Morgan e o Novo Banco como gestores da operação de colocação.

Face à última emissão comparável, de novembro de 2019, a taxa subiu de 0,333% para 0,499%.

“Esta é a primeira transação sindicada da República Portuguesa em 2020 e com esta emissão a República completou cerca de 20% do objetivo bruto de emissões de 16,7 mil milhões de euros através de leilões e operações sindicadas em 2020”, assinala o IGCP em comunicado enviado às redações.

A agência que gere a dívida pública portuguesa destaca que a transação teve a participação de mais de 350 contas, “representando uma procura forte e diversificada, sobretudo da Europa e especialmente do Reino Unido, Itália, Espanha, França e Portugal”.

No comunicado hoje emitido, o Ministério das Finanças especifica que “a taxa de colocação da nova OT foi de 0,499%, a que corresponde um diferencial face à taxa swap do euro para a mesma maturidade de 33 pontos base, e beneficiou de uma procura mais do que seis vezes superior à oferta, com o livro de ordens a atingir cerca de 25,7 mil milhões de euros”.

“Esta emissão, onde se fixa uma taxa de cupão de 0,475%, o valor mais baixo de sempre (para qualquer prazo), confirma a evolução extremamente favorável das condições de financiamento de Portugal ao longo do ano de 2019”, acrescenta.

As necessidades de financiamento líquidas de Portugal para este ano deverão situar-se em cerca de 9,5 mil milhões de euros, indicou na segunda-feira o IGCP.

Este valor é superior ao de 2019, que foi estimado pela agência em 8,6 mil milhões de euros.

SR (JE/ALYN/MC) // PA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS