Elisa Ferreira irá abster-se em decisões que envolvam “direta ou indiretamente” o marido

A comissária indigitada por Portugal, Elisa ferreira, revelou hoje que irá abster-se de participar em decisões que envolvam “direta ou indiretamente” o seu marido, de modo a prevenir qualquer “perceção de um conflito de interesses”.

Elisa Ferreira irá abster-se em decisões que envolvam

Elisa Ferreira irá abster-se em decisões que envolvam “direta ou indiretamente” o marido

A comissária indigitada por Portugal, Elisa ferreira, revelou hoje que irá abster-se de participar em decisões que envolvam “direta ou indiretamente” o seu marido, de modo a prevenir qualquer “perceção de um conflito de interesses”.

Questionada pela eurodeputada austríaca Simone Schmiedtbauer (Partido Popular Europeu) sobre a possível existência de um conflito de interesses entre a pasta que irá tutelar — da Coesão e Reformas — e o cargo do marido, Fernando Freire de Sousa, que é presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) Norte, entidade responsável pela aplicação de fundos comunitários, a comissária designada começou por agradecer a oportunidade de, diante do Parlamento Europeu, poder esclarecer a questão.

“Escrevi à presidente eleita dizendo que, se em algum momento, houver algum risco — e vou ler o que escrevi –, estou preparada para tomar todas as medidas necessárias para prevenir qualquer perceção de conflito de interesses. Concretamente, isto significa que me absterei de qualquer participação em decisões relativas à implementação de fundos que são da minha responsabilidade e que possam diretamente ou indiretamente ter impacto nos interesses pessoais do meu marido enquanto presidente dessa instituição”, revelou.

Elisa Ferreira, que escolheu responder em inglês para que “todos percebessem”, insistiu que, se em algum momento, “houver algum aspeto pessoal” relacionado com o seu marido, irá abster-se “por completo”, o que significa que se considera “impossibilitada de decidir e caberá à presidente eleita decidir ou delegar a decisão”.

“Estou convencida que isto nunca irá acontecer. O meu marido nunca conheceu ou negociou com o anterior comissário [a romena Corina Cretu] e o anterior comissário nunca teve qualquer coisa a decidir sobre ele. Contudo, queria esclarecer esta questão e enviei a carta à presidente eleita”, sublinhou.

A comissária indigitada por Portugal disse ainda estar preparada para tomar “quaisquer medidas adicionais” que os eurodeputadas possam considerar necessárias.

A antiga ministra dos governos chefiados por António Guterres – primeiro do Ambiente, entre 1995 e 1999, e depois do Planeamento, entre 1999 e 2002- e antiga eurodeputada (2004-2016) reiterou estar convicta de que não há conflito de interesses entre a sua pasta e o cargo de Fernando Freire, uma vez que o presidente da CCDR-Norte responde ao Governo português, nomeadamente ao ministro do Planeamento.

Elisa Ferreira está neste momento a enfrentar, perante a comissão de Desenvolvimento Regional da assembleia europeia (com a participação de eurodeputados das comissões de Orçamentos e de Assuntos Económicos e Monetários), a audição decisiva para assumir em 01 de novembro a pasta da Coesão e Reformas no novo executivo comunitário liderado por Ursula von der Leyen.

Dada a hora tardia a que a audição terminará (aproximadamente às 21:30 de Bruxelas), o parecer dos eurodeputados só será conhecido na quinta-feira de manhã.

Se Elisa Ferreira, de 63 anos, receber a ‘luz verde’ dos eurodeputados, como é expectável, tornar-se-á a primeira mulher portuguesa a integrar o executivo comunitário desde a adesão de Portugal à comunidade europeia (1986).

AMG/ANE // JPS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS