Eletricidade da Madeira vai refazer plano de investimento tendo em conta recomendações

A Empresa de Eletricidade da Madeira vai refazer o Plano de Desenvolvimento e de Investimento na Rede de Transporte e Distribuição em Alta Tensão e Média Tensão para os próximos anos, tendo em conta as recomendações emitidas pelo regulador.

Eletricidade da Madeira vai refazer plano de investimento tendo em conta recomendações

Eletricidade da Madeira vai refazer plano de investimento tendo em conta recomendações

A Empresa de Eletricidade da Madeira vai refazer o Plano de Desenvolvimento e de Investimento na Rede de Transporte e Distribuição em Alta Tensão e Média Tensão para os próximos anos, tendo em conta as recomendações emitidas pelo regulador.

A garantia foi hoje dada pelo presidente do conselho de administração da Empresa da Eletricidade da Madeira (EEM), Francisco Taboada, questionado pelos jornalistas à margem de uma conferência de imprensa para anunciar apoios às empresas com maiores consumos de energia.

Na semana passada, a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) divulgou um parecer, no qual recomenda à EEM, detida a 100% pelo Governo Regional (PSD/CDS-PP), que reduza o investimento de 65,1 milhões de euros proposto para 2022-2024 no plano de transporte e distribuição em alta e média tensão no arquipélago.

Hoje, instado a comentar esse parecer, Francisco Taboada explicou que o documento versa essencialmente sobre dois pontos.

Um deles, referiu, tem a ver com o período de ação do plano.

“Quando fizemos o plano de investimentos, em junho 2021, foi feito para três anos, entretanto mudou a lei, que agora obriga a que esses planos sejam feitos para quatro anos. E, portanto, a ERSE esteve a avaliar o nosso plano, deu agora o seu parecer e recomendou que nós atualizemos o plano para adaptá-lo a quatro anos e não a três”, apontou.

Por outro lado, a ERSE entendeu que o valor de 65,1 milhões de euros proposto para o Plano de Desenvolvimento e de Investimento na Rede de Transporte e Distribuição em Alta Tensão e Média Tensão para os anos 2022-2024 é elevado em comparação com os anos anteriores e deve ser reduzido.

Sobre esta questão, o presidente do conselho de administração da EEM salientou que o documento foi “formatado para aquele que era a perspetiva do futuro” na altura em que foi formulado (2021), “sem guerra e sem uma data de acontecimentos que advieram”.

“No fundo, o que a ERSE nos está a solicitar é que nós também adaptemos o plano perante a realidade que temos agora à nossa frente”, notou, assegurando que o documento será refeito.

“Nós vamos olhar para o plano, vamos olhar para as recomendações que fez a ERSE e vamos naturalmente ter em conta as recomendações, mas vamos refazê-lo”, garantiu, ressalvando, porém, que ainda é “prematuro” afirmar se o valor do investimento será ou não reduzido.

TFS (DC) // MLS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS