“É a direita e não o povo socialista que vê num BE forte um inimigo a abater” — Pureza

O cabeça de lista do BE pelo distrito de Coimbra, José Manuel Pureza, defendeu que “é a direita e não o povo socialista que vê num Bloco forte um inimigo a abater”.

“É a direita e não o povo socialista que vê num BE forte um inimigo a abater” — Pureza

O cabeça de lista do BE pelo distrito de Coimbra, José Manuel Pureza, defendeu que “é a direita e não o povo socialista que vê num Bloco forte um inimigo a abater”.

A jogar em casa, o deputado e recandidato bloquista por Coimbra protagonizou o discurso mais político da noite, num comício em que “encostou” o PS à direita e respondeu a alguns dos ataques que vieram dos socialistas, apontando ainda aos líderes do PSD e do CDS-PP.

“Nós não nos enganamos, sabemos que é a direita e não é o povo socialista que vê num Bloco de Esquerda forte um inimigo a abater”, atirou.

Para a direita – e José Manuel Pureza repetiu duas vezes para deixar clara a ideia – “qualquer voto a mais no Bloco será aquilo a que alguém chamou desmesurado”.

No domingo, o ministro Augusto Santos Silva advertiu para os riscos de “um poder desmedido” e desmesurado de algum dos parceiros à esquerda do PS.

“É natural que o patronato pense o mesmo, é natural. E a todos eles eu quero dizer que estejam certos de que o Bloco lhes dará razão para não quererem que cresçamos”, avisou.

Segundo o deputado recandidato, os líderes da direita, “Assunção Cristas e Rui Rio querem, a todo preço, afastar o Bloco da determinação das políticas”.

“Eles querem afastar o Bloco porque sabem que é o Bloco que mais fortemente combaterá os interesses de chorudos daqueles que a direita protege nas PPP’s da saúde”, criticou.

Pureza repetiu depois a fórmula para a luta pela “autodeterminação de cada uma e de cada um que tanto escandaliza a direita mais trauliteira”, para “a revogação da legislação laboral em que os patrões exigem que não se toque”, para a luta “ao lado dos precários, pelo reconhecimento do seu direito a um contrato de trabalho” e para a determinação

“a enfrentar os capitalistas da energia e defender uma fatura justa para as famílias”.

“Nós vamos lhes dar razão para eles não querem que cresçamos porque teremos mesmo uma e uma só desmesura: a da defesa de uma economia justa e direitos sólidos para os de baixo”, antecipou.

JF // JPS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS