Donald Trump atua como “dono do mundo”, diz embaixador da Palestina

O embaixador da Palestina em Portugal considera que o Presidente dos EUA atua como “dono do mundo” e tomou “todas as decisões”, incluindo reconhecer Jerusalém como capital de Israel, para acabar com as relações com os palestinianos.

Donald Trump atua como

Donald Trump atua como “dono do mundo”, diz embaixador da Palestina

O embaixador da Palestina em Portugal considera que o Presidente dos EUA atua como “dono do mundo” e tomou “todas as decisões”, incluindo reconhecer Jerusalém como capital de Israel, para acabar com as relações com os palestinianos.

Lisboa, 30 nov 2019 (Lusa) — O Presidente norte-americano atua como “dono do mundo” e tomou “todas as decisões”, incluindo reconhecer Jerusalém como capital de Israel, para acabar com as relações com os palestinianos, considera o embaixador da Palestina em Portugal.

“Infelizmente não temos qualquer relação (com a administração dos Estados Unidos). (Donald) Trump tomou todas as decisões para acabar com (…) as relações com os palestinianos”, declara Nabil Abuznaid em entrevista à agência Lusa.

A 06 de dezembro de 2017, faz na próxima sexta-feira dois anos, o Presidente dos Estados Unidos reconheceu Jerusalém como capital de Israel, desencadeando a cólera dos palestinianos e rompendo com décadas de consenso internacional.

O estatuto da cidade é um dos problemas mais difíceis do conflito, os palestinianos reivindicam Jerusalém Oriental, ocupada por Israel em 1967 e depois anexada, como capital do Estado a que aspiram.

Abuznaid recorda que Trump também encerrou a missão da Palestina em Washington, deixou de financiar organizações de apoio aos palestinianos, nomeadamente aos refugiados, “mudou a embaixada para Jerusalém (na sequência do reconhecimento da cidade como capital israelita)” e acabou com o consulado nesta cidade “que negociava com os palestinianos” há muitos anos.

“Ele mudou tudo (…) age como se fosse o dono do mundo”, diz o diplomata sobre o Presidente dos Estados Unidos.

Lembra que o direito à autodeterminação dos palestinianos foi apoiado por 164 países nas Nações Unidas há uma semana para sublinhar: “Onde é que está o nosso problema? (está) Com duas pessoas acusadas de crimes”.

O representante da Autoridade Palestiniana em Lisboa referia-se às acusações de abuso de poder contra Trump, que está a ser investigado pela Câmara de Representantes num processo de destituição, e às de fraude, suborno e abuso de confiança em três casos de corrupção anunciadas recentemente contra o primeiro-ministro israelita em funções, Benjamin Netanyahu.

“O mundo é governado por pessoas que não são respeitadas dentro das suas próprias sociedades nem pelo resto do mundo”, indica Abuznaid.

O embaixador considera que Trump e Netanyahu se “usam um ao outro à custa dos palestinianos”, o primeiro precisa do segundo “para obter alguns votos de judeus nos Estados Unidos” e “Netanyahu precisa de Trump para lhe dar mais poder em coisas como Jerusalém”.

Neste contexto, são insignificantes as expectativas de Nabil Abuznaid sobre o plano de paz norte-americano para o conflito israelo-palestiniano, que Trump prometeu apresentar para conseguir o “acordo do século”.

“Lamentavelmente não vejo que quaisquer negociações possam acontecer em breve”, afirma, adiantando que os palestinianos esperavam que a posição dos Estados Unidos fosse a de um “mediador neutro e parceiro para a paz”.

O diplomata questiona a possibilidade de negociações quando, diz, é pedido aos palestinianos “não falem sobre Jerusalém (…), não falem de colonatos, não falem de refugiados”.

“Com a política Trump-Netanyahu, com a sua posição em relação aos palestinianos (…) não há esperança para um Estado palestiniano e não negociamos por negociar, para dar mais tempo a Israel para construir colonatos”, declara Abuznaid.

PAL // EL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS