Cuba critica inclusão na “lista negra” dos EUA sobre liberdade religiosa

Cuba criticou os Estados Unidos pela inclusão da ilha numa “lista negra” de países que Washington considera estarem a violar a liberdade religiosa, o que pode levar a possíveis sanções.

Cuba critica inclusão na

Cuba critica inclusão na “lista negra” dos EUA sobre liberdade religiosa

Cuba criticou os Estados Unidos pela inclusão da ilha numa “lista negra” de países que Washington considera estarem a violar a liberdade religiosa, o que pode levar a possíveis sanções.

“A designação do nosso país nesta lista arbitrária mostra que, mais uma vez, o governo dos EUA precisa de recorrer a acusações desonestas para manter a política insustentável de abusos contra o povo cubano”, escreveu, na rede social Twitter, o ministro dos Negócios Estrangeiros da ilha, Bruno Rodriguez.

“É sabido que em Cuba existe liberdade religiosa”, salientou.

Na sexta-feira, Cuba e Nicarágua foram incluídas na lista de Países de Preocupação Especial, elaborada anualmente pelo Departamento de Estado norte-americano, na qual se encontravam já China, Arábia Saudita, Coreia do Norte, Rússia, Irão, Paquistão, Birmânia, Eritreia, Tajiquistão e Turquemenistão.

Os EUA também colocaram na lista grupos extremistas terroristas como Al Shebab, Boko Haram, Hayat Tahrir al-Sham (antiga Frente Al-Nusra, braço da Al-Qaida na Síria), vários movimentos ligados ao Estado Islâmico (EI), como o da Província da África Ocidental e o do Grande Saara, Talibãs, Huthis do Iémen e o grupo de mercenários Wagner, com ligações ao Kremlin.

Esta lista do Governo dos EUA é elaborada todos os anos anualmente e inclui países em todo o mundo, com registo de “graves violações da liberdade religiosa”, tais como tortura, detenção e desaparecimento forçado de pessoas devido a crenças, ao abrigo da lei de liberdade religiosa internacional, de 1998.

Os Estados incluídos estão sujeitos a possíveis sanções, tais como cancelamento de intercâmbios científicos e culturais, suspensão da ajuda ao desenvolvimento, bloqueio de empréstimos ou restrições à exportação.

O secretário de Estado norte-americano, Anthony Blinken, afirmou que os EUA “não vão ficar parados” perante a perseguição religiosa.

“Continuaremos a monitorizar cuidadosamente a liberdade religiosa em todo o mundo, defendendo aqueles que sofrem perseguição e discriminação”, acrescentou.

EJ (ANC) // EJ

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS