CT da Galp vai contestar fim da refinação em Matosinhos e pedir intervenção do Governo

A Comissão de Trabalhadores da Galp disse que vai contestar a decisão da empresa de concentrar a refinação em Sines e descontinuar a operação em Matosinhos e pedir a intervenção do Governo.

CT da Galp vai contestar fim da refinação em Matosinhos e pedir intervenção do Governo

CT da Galp vai contestar fim da refinação em Matosinhos e pedir intervenção do Governo

A Comissão de Trabalhadores da Galp disse que vai contestar a decisão da empresa de concentrar a refinação em Sines e descontinuar a operação em Matosinhos e pedir a intervenção do Governo.

“A nossa intenção é contrariar. Vamos discutir. Vamos reunir com os sindicatos e convocar o Governo, como temos feito desde 24 de abril. Alertámos, desde essa altura, o Governo e o Presidente da República, [Marcelo Rebelo de Sousa], para as consequências que a distribuição de dividendos iria ter num contexto de pandemia. Não tivemos resposta”, afirmou Hélder Guerreiro da CT da Galp, em declarações à agência Lusa.

Este responsável disse que os trabalhadores souberam desta decisão pelas 09:00 de hoje, sublinhando que a petrolífera liderada por Carlos Gomes da Silva não deu quaisquer garantias em relação aos postos de trabalho.

Em causa estão 500 postos de trabalho diretos e 1.000 indiretos.

“Disseram que estavam a estudar e a avaliar a situação, mais nada”, referiu.

Apesar de concordar que houve uma redução do consumo de combustíveis e um consequente impacto económico, devido à pandemia de covid-19, Hélder Guerreiro vincou que as contas da empresa, referentes ao terceiro trimestre, mostram que todas as áreas totalizaram resultados positivos.

Já no que se refere ao impacto que a decisão da petrolífera vai ter na distribuição, a CT vincou que a Entidade Nacional para o Setor Energético (Ense) aumentou, em outubro, o nível de risco relativamente à distribuição de combustíveis, quando a refinaria parou.

Por outro lado, a CT lembrou que esta entidade adiantou, em setembro, que as margens de comercialização aumentaram 30% face a 2019, acima da média dos preços da União Europeia.

Num comunicado hoje divulgado, a Ense apontou que o fornecimento do mercado nacional, o aprovisionamento e a distribuição de combustíveis estão salvaguardados.

“Não se percebe o que é que mudou desde outubro para cá”, lamentou o porta-voz da CT da Galp.

A Galp vai concentrar as suas operações de refinação e desenvolvimentos futuros no complexo de Sines e descontinuar a refinação em Matosinhos a partir do próximo ano, anunciou hoje a empresa.

Num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Galp referiu que “continuará a abastecer o mercado regional mantendo a operação das principais instalações de importação, armazenamento e expedição de produtos existentes em Matosinhos”, e que está a “desenvolver soluções adequadas para a necessária redução da força laboral e a avaliar alternativas de utilização para o complexo”.

A empresa disse que as “alterações estruturais dos padrões de consumo de produtos petrolíferos motivados pelo contexto regulatório e pelo contexto covid-19 originaram um impacto significativo nas atividades industriais de ‘downstreaming’ da Galp”, e afirma que “o aprovisionamento e a distribuição de combustíveis no país não serão impactados por esta decisão”.

Pelas 14:46, as ações da Galp cediam 5,74%, na bolsa de Lisboa, para 8,28 euros.

PE (SO) // JNM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS