Crise/Energia: Líder do PSD assegura que não assinaria acordo e lamenta tom de Costa

O presidente do PSD assegurou hoje que não assinaria o acordo sobre interconexões energéticas “nos termos em que foi anunciado”, e considerou “democraticamente lamentável” a forma como o primeiro-ministro respondeu ao seu partido sobre este tema.

Crise/Energia: Líder do PSD assegura que não assinaria acordo e lamenta tom de Costa

Crise/Energia: Líder do PSD assegura que não assinaria acordo e lamenta tom de Costa

O presidente do PSD assegurou hoje que não assinaria o acordo sobre interconexões energéticas “nos termos em que foi anunciado”, e considerou “democraticamente lamentável” a forma como o primeiro-ministro respondeu ao seu partido sobre este tema.

“Dirigiu-se ao PSD num tom que vem no encalço do uso e abuso da maioria absoluta, como que não dando à oposição legitimidade para criticar e sujeitar o Governo ao escrutínio que é devido”, criticou Luís Montenegro, em declarações aos jornalistas, na sede nacional dos sociais-democratas.

O primeiro-ministro manifestou-se hoje perplexo com as críticas do PSD ao princípio de acordo entre Portugal, Espanha e França para as interconexões energéticas europeias e acusou o dirigente social-democrata Paulo Rangel — que no fim de semana disse que o acordo é “mau e prejudicial” ao interesse de Portugal – de nada perceber do assunto.

Ainda assim, Montenegro deixou um apelo a António Costa para que aceite o debate de urgência no parlamento já proposto pelos sociais-democratas e que será decidido na terça-feira numa conferência de líderes extraordinária, fazendo um apelo “à serenidade e espírito democrático do Governo”.

“Se há forma de podemos esgrimir argumentos e dirimir divergências é debatendo, é podendo estar olhos nos olhos no local próprio que é o parlamento. Só podemos contar que o PS não se vá furtar a esse debate, o primeiro-ministro está no parlamento na quarta e na quinta-feira, é perfeitamente possível termos esse debate no final da discussão sobre o Orçamento do estado”, considerou.

Montenegro salientou ainda que Paulo Rangel, eurodeputado e primeiro vice-presidente do PSD, “fala em total articulação com o presidente do PSD”.

“Tomara o primeiro-ministro ter ministros tão entrosados como está esse vice-presidente com o presidente do PSD”, disse.

Questionado se o PSD não assinaria este acordo, que o Presidente da República considerou ser “o possível” para ultrapassar as objeções de França, Montenegro foi claro.

“O PSD não assinaria este acordo nos termos em que ele foi anunciado”, disse, acusando ainda o primeiro-ministro de se ter “ficado pelas meias verdades” neste assunto, tal como já tinha feito em relação ao aumento das pensões.

Para o líder do PSD, “começa a ser um padrão” o primeiro-ministro apresentar ao país “resultados que nada têm a ver com a realidade”.

SMA // JPS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS