Covid-19: PCP considera inaceitável confinamento até fim de março

O dirigente comunista Jorge Pires classifica como “inaceitável” que se mantenha o atual confinamento geral para combater a epidemia de covid-19 até ao final do mês de março, tal como “anunciado pelo primeiro-ministro”.

Covid-19: PCP considera inaceitável confinamento até fim de março

Covid-19: PCP considera inaceitável confinamento até fim de março

O dirigente comunista Jorge Pires classifica como “inaceitável” que se mantenha o atual confinamento geral para combater a epidemia de covid-19 até ao final do mês de março, tal como “anunciado pelo primeiro-ministro”.

O dirigente comunista Jorge Pires classifica como “inaceitável” que se mantenha o atual confinamento geral para combater a epidemia de covid-19 até ao final do mês de março, tal como “anunciado pelo primeiro-ministro”.

“Apesar da descida sustentada do número de incidências e a perspetiva da sua continuação no futuro imediato, o Presidente e o Governo preparam-se, tal como foi anunciado no final da reunião pelo primeiro-ministro, para manter o atual confinamento até final do mês de março, o que consideramos inaceitável porque despreza todas as consequências no plano económico, social e também de saúde, em geral, dos portugueses”, lê-se em declaração escrita.

Portugal deverá continuar com o dever geral de recolhimento domiciliário e outras restrições até meados de março, afirmou a ministra da Saúde, Marta Temido, apesar de o pico da terceira vaga da epidemia de covid-19 já ter sido atingido em 29 de janeiro, com 1.669 casos cumulativos a 14 dias por 100 mil habitantes, com uma “tendência decrescente”, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

“Ficou claro nesta reunião que uma das formas mais eficazes de combate à epidemia é avançar o mais rápido possível com o processo de vacinação. O grande obstáculo ao seu avanço está na falta de vacinas devido à falha de compromisso das farmacêuticas relativamente às entregas que se tinham comprometido contratualmente”, declarou o membro da comissão política do Comité Central do PCP.

Segundo Jorge Pires, “o que o país precisa é de reforçar a proteção individual, fazer a pedagogia da proteção, reforçar o Serviço Nacional de Saúde, concretizando todas as medidas aprovadas no Orçamento do Estado”.

“Dinamizar a atividade económica, garantidas todas as condições de segurança dos trabalhadores, a atividade cultural e a atividade desportiva, e, simultaneamente, garantir a proteção social a todos aqueles que perderam as suas renumerações, em parte ou no todo, e garantir o salário a 100% aos pais das crianças até aos 16 anos que têm de ficar confinadas em casa devido ao encerramento das escolas”, são outras pretensões do PCP.

No final da reunião, a ministra da Saúde, Marta Temido, disse que Portugal deverá continuar com o nível de confinamento atual até meados de março, e indicou que o país continua com uma “incidência extremamente elevada” de novos casos de contágio pelo novo coronavírus.

LEIA MAIS
Brasil transporta vacinas em caixas que seriam para vender cerveja no Carnaval

 

Impala Instagram


RELACIONADOS