Covid-19: Milhares de israelitas voltaram a sair à rua para protestar contra Netanyahu

Milhares de israelitas protestaram hoje em Jerusalém na última manifestação semanal contra o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, pela forma como está a lidar com a crise do novo coronavírus e as acusações de corrupção que enfrenta.

Covid-19: Milhares de israelitas voltaram a sair à rua para protestar contra Netanyahu

Covid-19: Milhares de israelitas voltaram a sair à rua para protestar contra Netanyahu

Milhares de israelitas protestaram hoje em Jerusalém na última manifestação semanal contra o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, pela forma como está a lidar com a crise do novo coronavírus e as acusações de corrupção que enfrenta.

Os manifestantes agitaram bandeiras israelitas e bandeiras rosa, que se tornaram um símbolo do movimento de protesto, enquanto marchavam em direção a uma praça perto da residência oficial de Netanyahu. Outras manifestações menores ocorreram em outras partes do país.

Os manifestantes seguraram cartazes que diziam: “Salvando o país, lutando contra a corrupção” e “Revolução”.

Os manifestantes criticaram Netanyahu pelo forma como tem lidado com o surto do novo coronavírus e as suas consequências económicas. Muitos também se opõem à atuação de Netanyahu como primeiro-ministro enquanto enfrenta três acusações de fraude, quebra de confiança e aceitação de subornos.

Netanyahu negou irregularidades numa série de escândalos envolvendo associados bilionários e magnatas dos meios de comunicação social.

Os protestos duram há meses e mantêm os holofotes sobre Netanyahu num momento em que a popularidade do líder de longa data caiu a pique por causa de sua forma de lidar com a pandemia de covid-19 em Israel.

O país está a sair gradualmente do segundo confinamento que o Governo impôs para conter a pandemia. As restrições ainda em vigor mantiveram lojas, hotéis e restaurantes fechados, enquanto a economia continua em queda.

Israel parecia ter resistido com sucesso a um surto inicial na primavera, mesmo com o desemprego alto. Mas uma reabertura apressada após um primeiro confinamento fez os casos confirmados dispararem e mergulharam o país em novas restrições.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 45,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

 

JDN // LFS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS