Covid-19: Confederação do turismo rejeita novo confinamento e pede reforço do SNS

A Confederação do Turismo de Portugal rejeitou a possibilidade de um novo confinamento total e pediu ao Governo que reforce a capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde.

Covid-19: Confederação do turismo rejeita novo confinamento e pede reforço do SNS

Covid-19: Confederação do turismo rejeita novo confinamento e pede reforço do SNS

A Confederação do Turismo de Portugal rejeitou a possibilidade de um novo confinamento total e pediu ao Governo que reforce a capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde.

Lisboa, 02 nov 2020 (Lusa) — A Confederação do Turismo de Portugal rejeitou hoje a possibilidade de um novo confinamento total e pediu ao Governo que reforce a capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde e preste especial atenção aos grupos mais vulneráveis da população.

Esta foi a posição assumida pela confederação na sequência das novas medidas de combate à pandemia da covid-19, anunciadas pelo Governo após o último Conselho de Ministros, realizado no sábado.

Num comentário escrito enviado à agência Lusa, a Confederação do Turismo de Portugal (CTP) considerou que um confinamento total, à semelhança do que aconteceu em março e abril, “terá efeitos dramáticos para a economia nacional e, em particular, para a atividade turística que vive uma das maiores crises de que há memória em Portugal”.

“As empresas do turismo estão em grandes dificuldades e não têm capacidade para resistir a mais um período de encerramento. Muitas estão já em situação irrecuperável, de pré-falência e de despedimentos. Há áreas de atividade que nem chegaram a reabrir. Voltar a um estado de confinamento total é colocar o país em risco de bancarrota económica”, afirmou o presidente da CTP, Francisco Calheiros na mesma nota.

A CTP reiterou a sua preocupação com a crise de saúde pública vivida no país e apelou para que o Governo reforce a capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde (SNS), com mais recursos humanos e financeiros, e que esteja particularmente atento aos grupos mais vulneráveis da população.

“Os surtos que dispararam em muitos lares e residências para seniores não podem repetir-se. O Estado tem de garantir proteção à população”, afirmou Francisco Calheiros.

O líder da CTP considerou ainda essencial “aumentar a consciencialização das pessoas para o uso da máscara, para a higienização frequente das mãos e para o distanciamento social”.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,2 milhões de mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 2.590 em Portugal.

As medidas para combater a covid-19 paralisaram setores inteiros da economia mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou que a pandemia reverterá os progressos feitos desde os anos de 1990, em termos de pobreza, e aumentará a desigualdade.

O FMI prevê uma queda da economia mundial de 4,4% em 2020, com uma contração de 4,3% nos Estados Unidos e de 5,3% no Japão, enquanto a China deverá crescer 1,9%.

Para 2021, a organização com sede em Washington antecipa um crescimento da economia mundial de 5,2%, face a 2020.

Para Portugal, o FMI prevê uma queda de 10% em 2020, e uma recuperação de 6,5% para 2021.

Estas previsões diferem das do Governo português, que antecipa uma queda da economia de 8,5% este ano, e uma recuperação de 5,4% em 2021.

A Comissão Europeia prevê uma queda de 9,8% da economia portuguesa em 2020, e um crescimento de 6% no próximo ano.

RRA // MSF

Lusa/Fim

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS