Costa salienta

Costa salienta “vontade construtiva” para melhorar proposta de orçamento na especialidade

O primeiro-ministro afirmou hoje que o Governo parte para o debate na especialidade do Orçamento com “vontade construtiva” para melhorar a sua proposta e considerou que o caminho percorrido só foi possível porque existe estabilidade política.

António Costa falava aos jornalistas, tendo ao seu lado o ministro das Finanças, Mário Centeno, momentos depois de a proposta de Orçamento do Estado para 2019 ter sido aprovada na generalidade, na Assembleia da República, com os votos a favor do PS, BE, PCP, PEV e PAN, e com a rejeição por parte das bancadas do PSD e do CDS-PP.

“Temos bons motivos para partir agora para o debate do Orçamento na especialidade com a mesma vontade construtiva que sempre tivemos de melhorar a proposta, de forma a que continue a ser um Orçamento que permita mais crescimento, melhor emprego e maior igualdade”, declarou o primeiro-ministro.

Para o primeiro-ministro, a aprovação da proposta de Orçamento de Estado para 2019, na generalidade, constituiu “um passo importante para se poder prosseguir um trabalho de melhoria da vida dos portugueses, dos seus rendimentos”, mas, também, “para as empresas continuarem a investir e a gerar emprego”.

“É importante para podermos continuar a melhorar a qualidade dos nossos serviços públicos e recuperar o muito que o país perdeu em investimento público ao longo dos anos de crise. Este Orçamento ajudará a reforçar a confiança e só é possível graças à estabilidade política que foi possível assegurar nestes três anos – e que seguramente garantiremos até ao final da legislatura”, declarou, numa referência ao BE, PCP e PEV.

PMF // JPS

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Costa salienta “vontade construtiva” para melhorar proposta de orçamento na especialidade

O primeiro-ministro afirmou hoje que o Governo parte para o debate na especialidade do Orçamento com “vontade construtiva” para melhorar a sua proposta e considerou que o caminho percorrido só foi possível porque existe estabilidade política.