Costa considera défice

Costa considera défice “em linha” com o previsto e alerta que não há “folgas mágicas”

PM considerou os dados mais recentes “em linha” com as previsões, mas salientou não existirem “folgas mágicas”, defendendo a continuidade do controlo sobre as contas públicas.

Lisboa, 22 jun (Lusa) – O primeiro-ministro considerou hoje os dados mais recentes do défice orçamental “em linha” com as previsões, mas salientou não existirem “folgas mágicas”, defendendo a continuidade do controlo sobre as contas públicas.


“Está [em linha com as previsões do Governo]. Acima ainda daquilo que é a previsão para o final do ano, mas, normalmente, o primeiro trimestre tem números mais elevados do que o resultado final, mesmo tendo em conta que temos uma situação diferente, como acabámos com o regime dos duodécimos no subsídio de Natal, esses 0,9% correspondem a um alívio de uma despesa do Estado, que vai incidir, com particular peso no último trimestre”, disse.


António Costa falava aos jornalistas após presidir à reunião plenária da Comissão Permanente de Concertação Social, que junta o executivo e as confederações sindicais e as patronais, na sede do Conselho Económico e Social, em Lisboa, na preparação para o próximo Conselho Europeu.


“Como temos dito, não há folgas mágicas. É necessário prosseguir com tranquilidade, mas determinação, a gestão orçamental que temos vindo a fazer”, realçou o chefe do Governo.


Segundo António Costa, “para tornar irreversível” a atual “política de reposição de rendimentos, criação de condições para o investimento, melhoria da qualidade dos serviços públicos”, Portugal não pode “correr o risco de ter de voltar a pagar os excessos na gestão orçamental”.


O défice situou-se nos 0,9% do Produto Interno Bruto (PIB) até março, em contas nacionais, abaixo dos 10,6% registados no período homólogo, mas acima da meta do Governo para o conjunto do ano, de 0,7%, anunciou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).


O défice orçamental foi de 434,3 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, o que corresponde a 0,9% do Produto Interno (PIB), inferior ao registado no mesmo período de 2017.


O saldo orçamental do ano passado foi “largamente influenciado” pela operação de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que elevou o défice para 10,6% do PIB. Excluindo esta operação, o défice ficou em 2%.



HPG (SP) // JPS

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Costa considera défice “em linha” com o previsto e alerta que não há “folgas mágicas”

PM considerou os dados mais recentes “em linha” com as previsões, mas salientou não existirem “folgas mágicas”, defendendo a continuidade do controlo sobre as contas públicas.