Costa aponta políticas fiscais, de habitação e trabalho no apoio aos jovens

O secretário-geral do PS disse que são fundamentais as políticas para promover a autonomia dos jovens através de habitação acessível, combate à precariedade no trabalho ou deduções fiscais.

Costa aponta políticas fiscais, de habitação e trabalho no apoio aos jovens

Costa aponta políticas fiscais, de habitação e trabalho no apoio aos jovens

O secretário-geral do PS disse que são fundamentais as políticas para promover a autonomia dos jovens através de habitação acessível, combate à precariedade no trabalho ou deduções fiscais.

Chaves, Vila Real, 04 set 2021 (Lusa) — O secretário-geral do PS disse hoje que são fundamentais as políticas nacionais para promover a autonomia das gerações jovens através de habitação acessível, combate à precariedade no trabalho ou deduções em matéria fiscal a partir do segundo filho.

“São fundamentais muitas das políticas nacionais. Não haverá autonomia dos jovens se não houver uma habitação acessível ou se continuar a dominar a precariedade nas políticas de trabalho”, salientou António Costa, durante o comício de apresentação de Nuno Vaz, atual presidente e candidato à Câmara de Chaves, no distrito de Vila Real, nas eleições autárquicas de 26 de setembro.

Para o também primeiro-ministro, a “nova geração de políticas de habitação” tem de responder não só ao primeiro direito e às famílias que vivem em situações que não tem condições condignas, mas também “à classe média e às novas gerações, que têm de ter oportunidade de ter acesso ao arrendamento acessível para se poderem autonomizar, e construir a sua vida e família que desejem construir”.

António Costa defendeu ainda a necessidade de “criar condições para que o trabalho seja digno, tenha direitos e maior conciliação entre a vida pessoal, familiar e profissional”.

“Hoje, felizmente, temos uma nova geração mais qualificada do que a minha foi. E, por isso, é mais exigente e tem direito a dizer ‘eu não estudei para ganhar isto’, tem direito a dizer ‘quero ganhar um salario justo em função do investimento da minha família e do esforço que fiz’ para ter maior qualificação”, sublinhou.

O socialista referiu que haverá um reforço do IRS jovem devido às dificuldades nos primeiros anos com “os custos de arranjar casa, mobilar e de criar condições de arranque de vida”.

“[O IRS jovem] vai ser alargado para cinco anos, não tributando em 30% no rendimento do primeiro e segundo ano, em 20% no terceiro e quarto ano e em 10% no último ano, para dar apoio para que as novas gerações se insiram na vida ativa e possam aqui encontrar o seu futuro”, salientou.

E acrescentou que haverá um reforço no programa Regressar para “criar melhores condições para que os que partiram para o estrangeiro” possam regressar a Portugal, com uma “majoração” neste programa para quem escolher fixar-se nas regiões do interior “onde é necessário fazer um maior esforço de atrair e fixar populações”.

Sobre a demografia, António Costa apontou que muitas famílias da nova geração têm a ambição de ter um filho, mas também o segundo ou mais filhos, e que é responsabilidade “de todos” apoiar “essa liberdade de ter os filhos que se queiram ter”.

“De outra maneira não conseguimos inverter a tendência demográfica. Temos que continuar a investir e o PRR [Plano de Recuperação e Resiliência] tem uma forte componente para investir na criação de creches, para ajudar as famílias a terem filhos”, sustentou.

E sublinhou o “aumento de deduções em matéria fiscal a partir do segundo filho”, mas também o “apoio a quem já está isento de IRS e não pode beneficiar” da medida.

 

DYMC // MSP

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS