Convenção eletiva da Iniciativa Liberal adiada para janeiro

A convenção eletiva da Iniciativa Liberal (IL) foi adiada para janeiro, tendo o Conselho Nacional aprovado uma moção para que esta reunião magna do partido se realize a partir do dia 20 desse mês.

Convenção eletiva da Iniciativa Liberal adiada para janeiro

Convenção eletiva da Iniciativa Liberal adiada para janeiro

A convenção eletiva da Iniciativa Liberal (IL) foi adiada para janeiro, tendo o Conselho Nacional aprovado uma moção para que esta reunião magna do partido se realize a partir do dia 20 desse mês.

Antes de interromper para almoço, os conselheiros reunidos em Coimbra aprovaram uma moção de Paulo Lopes que dita o adiamento da convenção que estava inicialmente prevista para dezembro, ficando para a tarde a decisão do local e da data precisa.

Segundo fontes do partido adiantaram à Lusa, a moção aprovada refere que a reunião magna dos liberais só pode ser realizada depois de 20 de janeiro, inclusive.

Depois de conhecida no dia 23 de outubro a realização das eleições antecipadas para a liderança da IL e a decisão de João Cotrim Figueiredo não se recandidatar ao cargo, foi da bancada parlamentar e da atual comissão executiva que saíram os candidatos à sucessão até agora conhecidos: Rui Rocha e Carla Castro.

À entrada para a reunião de hoje, os dois candidatos à liderança na Iniciativa Liberal convergiram na necessidade de uma revisão dos estatutos do partido que permita reduzir o peso das inerências no conselho nacional.

Os conselheiros liberais estão a discutir o regimento e a data da VII Convenção Nacional da IL, estando previsto que a presidente do Conselho Nacional, Mariana Leitão, faça declarações aos jornalistas no final para apresentar as conclusões da reunião.

Rui Rocha e Carla Castro estão nesta reunião já que têm assento neste órgão por fazerem parte da Comissão Executiva, assumindo posições diferentes quanto ao calendário.

Rui Rocha tinha adiantado à Lusa que ia apresentar uma proposta ao Conselho Nacional para que a convenção eletiva se realizasse em janeiro e não em dezembro, como estava previsto, considerando que o único condicionamento destas eleições internas seria “insistir num calendário mais curto” e recusar este adiamento.

Já Carla Castro, que inicialmente defendeu que não havia necessidade de adiar esta convenção, revelou esta semana à Lusa que não vai propor qualquer data e acatará a decisão do Conselho Nacional, abstendo-se nas votações sobre o calendário eleitoral.

Rui Rocha conta com o apoio de João Cotrim Figueiredo que vê no deputado a “pessoa certa” para liderar o partido nesta nova fase.

Entre o grupo parlamentar, que desde as eleições deste ano é composto por oito deputados, Rui Rocha tem ainda o apoio de Bernardo Blanco, Patrícia Gilvaz e Joana Cordeiro.

Já Carlos Guimarães Pinto, deputado e antigo presidente da IL, reiterou, em declarações à Lusa, que não apoiará qualquer candidatura, uma vez que, quando deixou a liderança em 2019, decidiu que não se iria “intrometer na política interna” dos liberais.

Posição diferente assumiu o primeiro presidente dos liberais, Miguel Ferreira da Silva, que anunciou o apoio a Carla Castro para presidente do partido. A mesma preferência foi manifestada pelo antigo candidato presidencial apoiado pelos liberais, Tiago Mayan Gonçalves, embora remetendo uma posição definitiva para depois de se conhecerem as equipas e os programas.

O líder parlamentar Rodrigo Saraiva reservou “para mais tarde” um eventual apoio a um dos concorrentes.

Antes desta antecipação de eleições para a comissão executiva, a VII Convenção Nacional destinava-se apenas a eleger os membros do conselho nacional, do conselho de jurisdição e do conselho de fiscalização uma vez que os calendários estavam desfasados.

Na última convenção, em dezembro de 2021, a lista única de João Cotrim Figueiredo à comissão executiva da IL foi eleita com 94% dos votos, sendo assim o presidente reeleito para um novo mandato à frente dos destinos liberais.

Em 08 de dezembro de 2019, na reunião magna em Pombal em que foi eleito para o primeiro mandato, Cotrim Figueiredo, também em candidatura única, recolheu então 96% dos votos na III Convenção Nacional do partido.

Cotrim Figueiredo, ainda como independente, foi o primeiro deputado eleito da IL, em 2019, então como deputado único, tendo nas eleições legislativas antecipadas deste ano o partido conseguido passar de um para oito deputados, tornando-se na quarta força política.

JF // ZO/MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS