Consultora Oxford Economics duvida das mudanças em Moçambique

A consultora Oxford Economics Africa diz que a melhoria do ‘rating’ da Fitch demonstra mais confiança em Moçambique, mas duvida das reais mudanças na governação do país.

Consultora Oxford Economics duvida das mudanças em Moçambique

Consultora Oxford Economics duvida das mudanças em Moçambique

A consultora Oxford Economics Africa diz que a melhoria do ‘rating’ da Fitch demonstra mais confiança em Moçambique, mas duvida das reais mudanças na governação do país.

“A melhoria das notações de crédito soberano de Moçambique e a retoma do apoio geral ao orçamento por parte das instituições de Bretton Woods são sinais de que a confiança no Governo está a ser restabelecida, o que está a catalisar mais empréstimos e investimentos estrangeiros”, lê-se num artigo de análise. 

“No entanto, concordamos com os comentadores locais” em relação a que “praticamente pouco mudou em termos de governança e que há indícios de que o autoritarismo está, de facto, em ascensão”, acrescenta.

O influxo de financiamento concessional e doações que está à vista “é muito bem-vindo e essencial para os esforços de Moçambique para reconstruir a província de Cabo Delgado, devastada pela guerra, e financiar o seu défice orçamentário”, nota a consultora. 

A Oxford Economics Africa destaca o anunciado plano do Governo para aplicar mais de 300 milhões de euros para restaurar infraestruturas em Cabo Delgado nos próximos três anos.

“Espera-se que o Governo moçambicano utilize agora o seu melhor acesso ao financiamento externo para implementar reformas que evitem outra crise de dívidas ocultas e ajudem a estabilizar a situação de segurança na região norte, rica em gás”, cujas reservas “são críticas para a economia de longo prazo do país, para o desenvolvimento e sustentabilidade”, conclui.

A agência de notação financeira Fitch subiu na sexta-feira o ‘rating’ de Moçambique de CCC para CCC+, aliviando a perspetiva de risco na concessão de crédito ao país.

“As restrições de financiamento a Moçambique diminuíram substancialmente com o acordo de crédito de 456 milhões de dólares (457 milhões de euros) com o Fundo Monetário Internacional (FMI)”, anunciou.

A Fitch espera que o acordo dê ‘luz verde’ a outras formas de “financiamento concessional de parceiros multilaterais, incluindo o Banco Mundial, após anos de acesso restrito a fontes externas de financiamento após o escândalo das dívidas ocultas de 2016”.

A agência prevê que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) “acelere para 7,7% em 2024 e permaneça alto até 2026”.

LFO // VM

Lusa/Fim

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS