Coligação de imprensa lança alerta sobre situação de jornalistas mulheres no mundo

A One Free Press Coalition divulgou hoje a sua lista de casos prioritários de jornalistas ameaçados, desta vez focada nas mulheres e incluindo uma assassinada.

Coligação de imprensa lança alerta sobre situação de jornalistas mulheres no mundo

Coligação de imprensa lança alerta sobre situação de jornalistas mulheres no mundo

A One Free Press Coalition divulgou hoje a sua lista de casos prioritários de jornalistas ameaçados, desta vez focada nas mulheres e incluindo uma assassinada.

A coligação internacional de meios de comunicação em defesa da liberdade de imprensa One Free Press Coalition divulgou hoje a sua lista de casos prioritários de jornalistas ameaçados, desta vez focada nas mulheres e incluindo uma assassinada.

Esta lista mensal, a 25.ª desde que a coligação começou a divulgá-la, organizada em função do Dia Internacional da Mulher, abre com o caso da síria Tal al-Mallohi, que está detida sem acusação por ordem de um conselheiro de segurança de Bashar al-Assad, depois de ter passado mais de 10 anos nas prisões do regime.

O segundo caso é o da ‘freelance’ egípcia Solafa Magdy, que está detida, cuja saúde está em rápida deterioração, estado este agravado por negligência médica e abusos sofridos na prisão.

Seguem-se as bielorrussas Katsiaryna Andreyeva e Darya Chultsova, jornalista independente e operadora de câmara respetivamente, condenadas a dois anos de prisão por cobrirem os protestos antigovernamentais.

Para a mexicana Maria Elena Ferral Hernández, correspondente e fundadora de um sítio noticioso na internet, é exigida justiça, uma vez que passa um ano em 30 de março do seu assassínio no Estado de Veracruz por dois homens não identificados, que a alvejaram a partir de um motociclo, depois de ter recebido ameaças.

Também depois de anos a receber ameaças, a vietnamita Pham Doan Trang, reportér na internet e fundadora de uma revista, está detida desde outubro, a aguardar julgamento, acusada de ofensas anti estatais.

Nas Filipinas é o caso de Frenchie Mae Cumpio, jornalista na internet e animadora radiofónica, a ser singularizado pela coligação de meios. Detida desde há um ano, esta jornalista, que cobre abusos da polícia e dos militares, incorre em uma sentença de seis anos e meio.

O sétimo caso é o da jornalista indígena guatemalteca Anastasia Mejía, que foi detida sob acusações de ter difundido e participado em uma ação de protesto contra um dirigente local. No mesmo dia a sua casa foi invadida. Encontra-se em prisão preventiva desde há mais de um mês.

Na Turquia, Aysegul Dogan, está em liberdade, depois de ter recorrido de uma sentença que a pode colocar mais de seis anos na prisão, por acusações falsas de terrorismo.

O penúltimo caso é o de Neha Dixit, da Índia, que sofreu uma tentativa de assalto ao seu domicílio, assédio, telefonemas ameaçadores ao longo de meses, com ameaças de morte, referindo-se ao seu jornalismo, bem como um processo de difamação em curso.

A lista encerra com a chinesa Haze Fan, da Bloomberg News, em Pequim, que está detida por suspeitas de ameaças à segurança nacional.

Entre as dezenas de associados da One Free Press Coaliton estão as agências Bloomberg, Efe, Reuters e AP, a televisão Al Jazeera, os meios europeus Corriere Della Sera, De Standaard, Deutsche Welle, Süddeutsche Zeitung e EURACTIV, os ‘económicos’ The Financial Times, Forbes e Fortune, a revista TIME ou ainda o The Washington Post.

A One Free Press tem como parceiros o Comité de Proteção dos Jornalistas e a Fundação Internacional das Mulheres nos Meios.

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS