Cinco mortos em campos de deslocados na Síria devido a bombardeamentos das forças govenamentais

Pelo menos cinco pessoas morreram devido a uma série de bombardeamentos das forças governamentais sírias contra cinco campos de deslocados no oeste de Idlib, quase na fronteira com a Turquia, anunciou hoje o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Cinco mortos em campos de deslocados na Síria devido a bombardeamentos das forças govenamentais

Cinco mortos em campos de deslocados na Síria devido a bombardeamentos das forças govenamentais

Pelo menos cinco pessoas morreram devido a uma série de bombardeamentos das forças governamentais sírias contra cinco campos de deslocados no oeste de Idlib, quase na fronteira com a Turquia, anunciou hoje o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

De acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), além das vítimas mortais, que incluíram crianças e mulheres, nos mesmos bombardeamentos no oeste de Idlib, no norte do país, outras 75 pessoas foram feridas.

A organização sediada em Londres, que tem fontes dentro do país, diz que os ataques foram realizados com pelo menos seis foguetes carregados com munições de fragmentação, que são ilegais ao abrigo das leis da guerra devido ao seu alcance indiscriminado.

Os foguetões foram alegadamente disparados, a organização observa no seu ‘site’, a partir de “posições das forças do regime” perto do aeroporto de Neirab em Aleppo.

Pelo menos uma mulher foi também morta nos ataques, que atingiram os campos de Maram, Watan, Wadi Haj Khaled, Baiba e Kafr Rouhain, bem como a cidade de Maureen.

De acordo com o Observatório, no dia seguinte à morte de cinco forças sírias no sudoeste do Idlib por um grupo afiliado ao grupo jihadista Hayat Tahrir al Sham (HTS), a antiga Frente al-Nusra, uma afiliada da Al-Qaeda na Síria, o fogo de foguetão chegou.

O HTS domina cerca de metade do Idlib e zonas limítrofes nas províncias vizinhas de Hama, Aleppo e Latakia.

A região é o lar de três milhões de pessoas, cerca de metade das quais estão deslocadas.

Apesar dos confrontos esporádicos, o cessar-fogo negociado em março de 2020 por Moscovo, aliado de Damasco, e Ancara, apoiada pelos rebeldes, tem sido mais ou menos respeitado.

No entanto, a situação no norte da Síria agravou-se nos últimos dias desde que o HTS tomou o controlo da cidade de Afrin, até então controlada pelas milícias pró-turcas.

MC // ZO

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS