China afirma ter detetado intervenção de forças estrangeiras em Hong Kong

O Governo chinês disse hoje ter detetado a intervenção de “forças estrangeiras”, particularmente dos Estados Unidos, nas manifestações que há mais de dois meses abalam Hong Kong.

China afirma ter detetado intervenção de forças estrangeiras em Hong Kong

China afirma ter detetado intervenção de forças estrangeiras em Hong Kong

O Governo chinês disse hoje ter detetado a intervenção de “forças estrangeiras”, particularmente dos Estados Unidos, nas manifestações que há mais de dois meses abalam Hong Kong.

Madrid, 09 ago 2019 (Lusa) – O Governo chinês disse hoje ter detetado a intervenção de “forças estrangeiras”, particularmente dos Estados Unidos, nas manifestações contra a proposta de lei de extradição que há mais de dois meses abalam Hong Kong.

Em conferência de imprensa, o ministro conselheiro da embaixada da China em Espanha, Yao Fei, acusou diplomatas norte-americanos de se reunirem com líderes da oposição de Hong Kong para discutir possíveis sanções contra a China, face aos protestos na antiga colónia britânica.

O ministério chinês dos Negócios Estrangeiros convocou, entretanto, um alto funcionário do consulado dos EUA em Hong Kong para exigir esclarecimentos e expressar insatisfação.

“Temos a certeza de que por detrás destas manifestações e destes movimentos estão algumas forças estrangeiras e queremos perguntar qual o papel que as agências e até mesmo os funcionários diplomáticos norte-americanos estão a desempenhar na escalada da situação em Hong Kong”, acrescentou.

O diplomata chinês referia-se a uma fotografia em que aparece uma funcionária da secção política do consulado dos Estados Unidos em Hong Kong, identificada pela imprensa local como Julie Edaeh, reunida com o líder do movimento independentista local.

O diplomata chinês considerou tratar-se de “uma motivação” para “escalar a situação” e uma violação das convenções internacionais.

E acusou “alguns estrangeiros” de ensinar métodos para intensificar o nível dos “tumultos”.

Hong Kong vive um clima de contestação social desencadeado pela apresentação de uma proposta de alteração à lei da extradição, que permitiria ao Governo e aos tribunais da região administrativa especial a extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios, como é o caso da China continental.

A proposta foi, entretanto, suspensa, mas as manifestações generalizaram-se e denunciam agora aquilo que os manifestantes afirmam ser uma “erosão das liberdades” na antiga colónia britânica.

A transferência de Hong Kong e Macau para a República Popular da China, em 1997 e 1999, respetivamente, decorreu sob o princípio “um país, dois sistemas”, precisamente o que os opositores às alterações da lei garantem estar agora em causa.

Para as duas regiões administrativas especiais da China foi acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judiciário, sendo o Governo central chinês responsável pelas relações externas e defesa.

Yao argumentou que a proposta de lei é “muito normal”, mas que os oponentes “aproveitaram” para difamar o sistema legal do continente chinês, com “rumores e informações falsas”, o que gerou “mal-entendidos” e desinformação “na imprensa internacional”.

O diplomata também defendeu a possível intervenção dos militares chineses e o trabalho da polícia de Hong Kong, que mostraram um “alto sentido de responsabilidade social”, “excelentes qualidades profissionais” e “foram contidos”.

“Hong Kong é parte soberana do território chinês, não é um território estrangeiro, e o governo central da China tem todo o poder, toda a autoridade, para aplicar a lei em Hong Kong, para salvaguardar a ordem social em Hong Kong e na China”, afirmou.

JPI // FPA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS