Chefe da diplomacia russa reafirma disponibilidade de Moscovo para dialogar com UE

O chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, reafirmou hoje a disponibilidade de Moscovo para dialogar com a União Europeia (UE), desde que esse diálogo, ressalvou o representante, seja sempre feito em pé de igualdade.

Chefe da diplomacia russa reafirma disponibilidade de Moscovo para dialogar com UE

Chefe da diplomacia russa reafirma disponibilidade de Moscovo para dialogar com UE

O chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, reafirmou hoje a disponibilidade de Moscovo para dialogar com a União Europeia (UE), desde que esse diálogo, ressalvou o representante, seja sempre feito em pé de igualdade.

“Abordámos a situação entre a Rússia e a UE e assinalámos que as nossas relações não estão a viver os seus melhores momentos”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, numa conferência de imprensa conjunta com o seu homólogo grego, Nikos Dendias, em Sochi, cidade russa localizada nas margens do mar Negro.

Serguei Lavrov insistiu que não foi a Rússia que deu início à espiral de sanções desencadeada por Bruxelas.

“Reafirmamos a nossa disponibilidade para uma interação construtiva com a UE, mas exclusivamente com base no princípio da igualdade, do respeito mútuo e tendo em conta os interesses das partes, e não com base em reivindicações unilaterais ilegítimas”, sublinhou Lavrov.

Por sua vez, o ministro dos Negócios Estrangeiros grego manifestou preocupação com o estado atual das relações entre a Rússia e o bloco dos 27.

“Falámos de forma aberta e franca sobre as relações entre a Rússia e a UE, porque neste momento encontram-se num nível baixo”, referiu Nikos Dendias, sublinhando que Atenas dá “especial importância” a estes laços.

O chefe da diplomacia helénica frisou que a Rússia é uma parte inalienável da arquitetura de segurança europeia e que desempenha um papel importante na resolução de conflitos regionais.

“Por isso, falámos sobre a normalização das relações entre as partes”, declarou o ministro grego, que indicou ao mesmo tempo que a Grécia é um Estado-membro da UE e, portanto, está ligada aos seus “compromissos europeus”.

O encontro entre Lavrov e Dendias realizou-se algumas horas antes do início da cimeira extraordinária dos líderes da UE, realizada hoje e terça-feira em Bruxelas, que tem na agenda, entre outros assuntos, o atual cenário da relação entre os 27 do bloco comunitário e a Rússia.

No início de fevereiro passado, o Alto Representante da UE para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, Josep Borrell, deslocou-se à Rússia, visita que ficaria marcada pelo anúncio de Moscovo, enquanto decorria a deslocação do representante do executivo comunitário, da expulsão de diplomatas europeus por motivos relacionados com o caso do opositor russo Alexei Navalny, atualmente detido.

Na altura, várias dezenas de eurodeputados chegaram a pedir a demissão de Borrell após a visita a Moscovo, que qualificaram de “humilhante”.

Na mesma ocasião, numa nota publicada pelo Serviço Europeu de Ação Externa (SEAE), Borrell classificou a visita à capital russa como “muito complicada”.

“O meu encontro com o ministro Lavrov e as mensagens emitidas pelas autoridades russas durante a minha visita confirmam que a UE e a Rússia estão a distanciar-se. Parece que a Rússia está a desconectar-se progressivamente da Europa e a ver os valores democráticos como uma ameaça existencial”, referiu então a nota.

SCA (TEYA) // EL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS