Chefe da diplomacia da UE defende relações com a China sem dependência excessiva

O chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell, defendeu hoje a necessidade de falar com a China para acautelar os interesses europeus, mas alertou para os perigos de uma excessiva dependência do país asiático.

Chefe da diplomacia da UE defende relações com a China sem dependência excessiva

Chefe da diplomacia da UE defende relações com a China sem dependência excessiva

O chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrell, defendeu hoje a necessidade de falar com a China para acautelar os interesses europeus, mas alertou para os perigos de uma excessiva dependência do país asiático.

“Precisamos de falar, precisamos de trabalhar, precisamos de comerciar e negociar com a China”, disse Borrell na sessão plenária do Parlamento Europeu (PE), que decorre na cidade francesa de Estrasburgo até quinta-feira.

Num debate sobre as relações UE-China, Borrell lembrou que os líderes europeus confirmaram, em outubro, a política face a Pequim e concordaram na necessidade de haver unidade “em todos os aspetos” do relacionamento com o país asiático.

“Sem unidade, perderemos tanto a credibilidade como a influência, tanto em relação à China como a nível global”, disse.

O também vice-presidente da Comissão Europeia alertou, no entanto, que a dependência da UE da China não se pode tornar uma vulnerabilidade, como aconteceu com a Rússia no campo energético.

Borrell disse que oito em cada dez painéis solares importados pela Europa são de fabrico chinês e que a UE troca diariamente bens no valor de 2.000 milhões de dólares (mais de 1.940 milhões de euros) com a China.

“A nossa dependência da China em relação à transição verde pode ser tão importante no futuro como tem sido hoje a nossa dependência dos combustíveis fósseis da Rússia”, disse.

Borrell reconheceu que a China é um país que gera opiniões divergentes, como no PE, sobretudo em matéria de direitos humanos.

Defendeu, por isso, ser necessário “obter uma síntese de diferentes pontos de vista e manter uma forte unidade”.

Borrel disse que a atenção da UE em relação à China não diminuiu com a guerra na Ucrânia, que a Rússia iniciou há nove meses.

Apesar de a China ainda não ter condenado a guerra, Borrell disse que “estabeleceu linhas vermelhas claras” sobre o uso de armas nucleares e está “cada vez mais preocupada com as consequências globais” do conflito.

Lembrou também que a Europa e a China têm sistemas políticos diferentes e veem a “democracia e os direitos humanos de forma diferente”, mas disse que a relação com Pequim não pode prejudicar a defesa dos princípios e valores europeus.

“É por isso que temos de ter uma estratégia clara, firme e sustentada em relação à China”, afirmou.

Borrel defendeu igualmente o estabelecimento de parcerias estratégicas com outros países, como os asiáticos e os da Ásia Central.

“Temos de trabalhar em conjunto porque o que vai acontecer nas nossas relações com a China vai marcar este século”, acrescentou.

*** A agência Lusa viajou para Estrasburgo a convite do Parlamento Europeu ***

PNG/MZGU/CTZM // PDF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS