Centro-direita italiana a apenas 3% de obter maioria de dois terços nas eleições de setembro

A coligação de centro-direita italiana está atualmente a apenas 3% de obter a maioria de dois terços para vencer nas eleições gerais de 25 de setembro em Itália, segundo uma sondagem hoje divulgada.

Centro-direita italiana a apenas 3% de obter maioria de dois terços nas eleições de setembro

Centro-direita italiana a apenas 3% de obter maioria de dois terços nas eleições de setembro

A coligação de centro-direita italiana está atualmente a apenas 3% de obter a maioria de dois terços para vencer nas eleições gerais de 25 de setembro em Itália, segundo uma sondagem hoje divulgada.

A aliança está atualmente cerca de 19% à frente do bloco de centro-esquerda na corrida para a eleição e precisa de cerca de 22% para garantir a maioria na Câmara e no Senado italianos, disse o instituto de pesquisa YouTrend.

A aliança planeia aprovar uma emenda constitucional para tornar as eleições dos Presidentes italianos diretas, pelo povo, e não pelos parlamentares.

O partido conservador Irmãos da Itália (FdI) é o partido com mais intenções de voto na última sondagem da Euromedia Research com 24,6%, colocando a líder romana Giorgia Meloni, de 45 anos, a caminho de se tornar a primeira mulher como chefe de Estado em Itália

O Partido Democrático (PD) de centro-esquerda está em segundo lugar com 23,1%, disse a Euromedia.

O principal aliado da FdI, o partido de direita da Liga, de Matteo Salvini, é o terceiro com 12,5%.

A Ação-Italia VIva é o quarto com 7,4%, segundo a pesquisa.

A terceira engrenagem na máquina de centro-direita, três vezes ex-primeiro-ministro e magnata dos media Silvio Berlusconi, do Força Italia (FI), é a quinta com 7%.

Vários aliados de esquerda, verdes e liberais do PD estão nas pesquisas com um total de cerca de 5%.

O centro-direita tem um total de 46,1% contra 28,7% do centro-esquerda.

O movimento populista independente de 5 estrelas (M5S) ganhou 3% a 12,3%, e Italexit tem em 2,8%.

Mais de 35% dos eleitores ainda estão indecisos.

Uma aliança pós-eleitoral ainda é possível, mas difícil, entre o centro-esquerda, o terceiro polo e os M5s, o que elevaria a percentagem desse hipotético bloco para cerca de 41%, ainda cerca de 5% atrás do bloco de centro-direita.

A pesquisa de intenção de voto disse que a crise do custo de vida foi a principal prioridade para 47,4% dos entrevistados, e a crise de energia para 45,7%, seguida por empregos e emprego em 40,5%.

A falta de confiança de que os partidos podem fazer qualquer coisa sobre empregos foi alta, em 37,3%.

Cerca de 35,5% dos entrevistados estavam pessimistas sobre uma ação efetiva na crise de energia.

CSR // MSP

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS