Central nuclear de Zaporijia “totalmente desligada” da rede elétrica ucraniana

A central nuclear de Zaporijia, alvo de bombardeamentos de que Moscovo e Kiev se acusam mutuamente, está “totalmente desligada” da rede elétrica da Ucrânia após os danos das linhas de comunicação, anunciou hoje o operador ucraniano Energoatom.

Central nuclear de Zaporijia

Central nuclear de Zaporijia “totalmente desligada” da rede elétrica ucraniana

A central nuclear de Zaporijia, alvo de bombardeamentos de que Moscovo e Kiev se acusam mutuamente, está “totalmente desligada” da rede elétrica da Ucrânia após os danos das linhas de comunicação, anunciou hoje o operador ucraniano Energoatom.

“Os dois reatores da central em funcionamento foram desligados da rede. Como resultado, as ações dos invasores [russos] causaram uma desconexão total da central nuclear de Zaporijia da rede elétrica, pela primeira vez na sua história”, disse a entidade no Telegram.

De acordo com o operador ucraniano, os incêndios na área da central térmica de Zaporijia, localizada perto da central nuclear com o mesmo nome no sul da Ucrânia, provocaram duas vezes a desconexão da última linha de comunicação que liga o local à rede elétrica.

O fornecimento de eletricidade à própria central nuclear, a maior da Europa, é feito a partir da central térmica, segundo a mesma fonte, que adiantou estarem “em curso operações para ligar um reator à rede”, acrescentou.

“Três outras linhas de comunicação tinham sido anteriormente danificadas em ataques terroristas” da Rússia, acusou a Energoatom.

A ONU apelou à criação de uma zona desmilitarizada em torno da fábrica para garantir a segurança do local e permitir uma missão de inspeção, mas a Rússia tem rejeitado propostas nesse sentido, que considerou como inaceitáveis.

Além disso, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, avisou hoje que a eletricidade da central nuclear de Zaporijia “obviamente” pertence à Ucrânia e que esse princípio deve ser totalmente respeitado.

A 10 de agosto, o operador ucraniano Energoatom tinha alegado que as forças russas estavam a preparar a ligação da central à Crimeia, uma península ucraniana anexada por Moscovo em 2014, e estavam a danificá-la ao realizar esta reorientação da produção de eletricidade.

Durante semanas, Moscovo e Kiev acusaram-se mutuamente de vários bombardeamentos que visaram esta central nuclear, que tem seis reatores com uma capacidade total de 6.000 megawatts, e que está desde março sob controlo das tropas russas.

A Ucrânia também acusa a Rússia de armazenar armas pesadas na central nuclear de Zaporijia e de a usar como base para ataques a posições ucranianas.

Os militares russos controlam a central nuclear de Zaporijia desde os primeiros dias da sua intervenção militar na Ucrânia, iniciada em 24 de fevereiro.

ANP // PDF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS