CEDEAO anuncia que Guiné-Conacri aceita uma transição de dois anos

A junta militar que dirige a Guiné-Conacri desde o golpe de Estado desde 05 de setembro aceitou uma transição de dois anos para devolver o poder a um governo civil, anunciou a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

CEDEAO anuncia que Guiné-Conacri aceita uma transição de dois anos

CEDEAO anuncia que Guiné-Conacri aceita uma transição de dois anos

A junta militar que dirige a Guiné-Conacri desde o golpe de Estado desde 05 de setembro aceitou uma transição de dois anos para devolver o poder a um governo civil, anunciou a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

“Num envolvimento dinâmico, os especialistas da CEDEAO e da Guiné desenvolveram em conjunto um cronograma consolidado para a transição de 24 meses”, afirma a organização em comunicado, que não especifica a data de início desse período.

O anúncio foi feito depois de terminar, esta sexta-feira, uma visita a Conacri por uma missão técnica do bloco regional, composto por quinze países, para acordar um “cronograma de transição aceitável para a CEDEAO e o governo de transição para garantir o retorno à ordem constitucional”, segundo a nota.

Estas reuniões foram realizadas depois da CEDEAO ter ameaçado numa reunião em setembro passado impor sanções às autoridades golpistas.

A Guiné-Conakry é liderada pela junta militar chefiada pelo coronel Mamadi Doumbouya desde 05 de setembro de 2021.

Nesse dia, membros do Grupo de Forças Especiais do Exército deram um golpe de Estado e derrubaram o então presidente, Alpha Condé, que governava desde 2010 após optar por um controverso terceiro mandato em outubro de 2020, não permitido pela Constituição guineense.

O coronel argumentou que o golpe procurava criar as condições para um estado de direito.

O Conselho Nacional de Transição (CNT) – Parlamento Provisório formado por 81 membros de partidos políticos, grupos da sociedade civil, sindicatos, empregadores e forças de segurança, entre outros – anunciou em 11 de maio uma transição de 36 meses.

Esse prazo foi rejeitado pela CEDEAO e pela oposição guineense, que em 01 de julho pediu a esta organização regional que intervenha no diálogo entre a classe política, a sociedade civil e a junta militar para o regresso à ordem constitucional.

A Guiné-Conacri é um dos países mais pobres do mundo, mas tem um potencial significativo de mineração, hidráulicos e agrícolas.

As suas reservas de bauxite – matéria-prima para a produção de alumínio – estão entre as mais importantes do mundo.

RCP // MSF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS