Características do evento e terreno motivam custo com palco para 2.000 pessoas da JMJ — Câmara

A Câmara de Lisboa justificou hoje o investimento no altar-palco da Jornada Mundial da Juventude com as necessidades do evento e as características do terreno, sublinhando que a estrutura poderá receber 2.000 pessoas e continuará depois a ser utilizada.

Características do evento e terreno motivam custo com palco para 2.000 pessoas da JMJ -- Câmara

Características do evento e terreno motivam custo com palco para 2.000 pessoas da JMJ — Câmara

A Câmara de Lisboa justificou hoje o investimento no altar-palco da Jornada Mundial da Juventude com as necessidades do evento e as características do terreno, sublinhando que a estrutura poderá receber 2.000 pessoas e continuará depois a ser utilizada.

Em conferência de imprensa no Parque Tejo, que no início de agosto irá acolher o certame, onde são esperadas cerca de 1,5 milhões de pessoas, o vice-presidente do município, Filipe Anacoreta Correia, apresentou o projeto do altar-palco, que terá nove metros de altura.

“Não tem nada a ver com outro palco feito em Portugal”, afirmou o autarca, sublinhando que é necessário garantir a visibilidade a uma longa distância, tendo em conta o número de participantes, e lembrando que o terreno em causa está localizado sobre um aterro.

A obra de construção do altar-palco onde o Papa Francisco vai celebrar a missa vai custar 4,2 milhões de euros à Câmara de Lisboa, numa empreitada atribuída por ajuste direto.

Segundo a informação disponibilizada no Portal Base da Contratação pública, “a construção foi adjudicada por 4,24 milhões de euros (mais IVA)”, somando-se a esse valor “1,06 milhões de euros para as fundações indiretas da cobertura”.

O vice-presidente da autarquia afirmou que a utilização do altar-palco “não se esgota no evento”, prevendo-se que a sua construção tenha retorno após a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), devido ao interesse de promotores de eventos.

“A câmara já teve manifestações de interesse para o palco ser utilizado para futuros eventos”, disse.

Na terça-feira, o presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, referiu que sabia que a construção do altar-palco iria ficar muito cara, acrescentando que será realizada com as especificações indicadas pela Igreja Católica.

“Queremos que esse palco, essa infraestrutura, fique para o futuro e que muitas dessas infraestruturas fiquem para o futuro. Eu sabia que isto ia ser muito caro, que era um investimento muito grande para a cidade”, indicou Moedas.

“Qualquer comparação de preço, qualquer comparação de custos não se consegue comparar, porque nós nunca tivemos algo desta dimensão”, afirmou.

A JMJ é o maior encontro de jovens católicos de todo o mundo com o Papa, que acontece a cada dois ou três anos, entre julho e agosto.

Lisboa foi a cidade escolhida em 2019 para acolher o encontro de 2022, que transitou para 2023 devido à pandemia de covid-19.

FAC/ROC (JML/SSM) // MLS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS