Candidatos da China e Emirados Árabes Unidos disputam presidência da Interpol

A Interpol deu início hoje à sua reunião anual em Istambul, de que sairá a nova liderança da organização policial internacional, disputada por contestados representantes da China e dos Emirados Árabes Unidos.

Candidatos da China e Emirados Árabes Unidos disputam presidência da Interpol

Candidatos da China e Emirados Árabes Unidos disputam presidência da Interpol

A Interpol deu início hoje à sua reunião anual em Istambul, de que sairá a nova liderança da organização policial internacional, disputada por contestados representantes da China e dos Emirados Árabes Unidos.

Os críticos afirmam que se estes candidatos ganhassem, os seus países utilizariam o alcance global da Interpol para prender dissidentes exilados e mesmo opositores políticos, em vez de capturar traficantes de droga e de seres humanos, suspeitos de crimes de guerra e alegados extremistas.

Um dos candidatos é acusado por organizações de direitos humanos de envolvimento em tortura e detenções arbitrárias nos Emirados Árabes Unidos.

O Major-General Ahmed Naser al-Raisi, Inspetor-Geral do Ministério do Interior dos Emirados Árabes Unidos, que já é membro do comité executivo da Interpol, diz que quer modernizar a Interpol.

Foram apresentadas queixas criminais contra ele em cinco países, incluindo em França, onde a Interpol tem a sua sede, e na Turquia, onde as eleições estão a ter lugar.

O outro candidato controverso é Hu Binchen, um funcionário do Ministério da Segurança Pública da China, que se espera venha a ocupar um lugar vago no comité executivo da Interpol.

Hu Binchen é apoiado pelo governo chinês, que é suspeito de ter utilizado a Interpol para prender dissidentes exilados e do desaparecimento de cidadãos.

A Interpol diz que se recusa a ser utilizada para fins políticos.

Embora o secretário-geral da Interpol dirija a Interpol no dia-a-dia, o presidente continua a ser uma figura de proa da organização de Lyon, França, e desempenha um papel na supervisão do trabalho do corpo policial e na orientação da sua direção geral.

Este cargo de secretário-geral é atualmente ocupado por Juergen Stock, da Alemanha.

A eleição para presidente está a ser acompanhada de perto desde que o primeiro presidente chinês do organismo, Meng Hongwei, desapareceu a meio do seu mandato de quatro anos, numa viagem de regresso à China em 2018.

Posteriormente, verificou-se que tinha sido detido, acusado de suborno e outros crimes. A Interpol anunciou então que Meng se tinha demitido da presidência.

Um vice-presidente, Kim Jong Yan, da Coreia do Sul, foi rapidamente eleito como substituto para cumprir o resto do mandato de Meng.

A presidência de Kim Jong Yan deveria terminar em 2020, mas o seu mandato foi prolongado por um ano após a pandemia de coronavírus ter levado a Interpol a cancelar a assembleia anual no ano passado. O seu substituto será eleito para um mandato de quatro anos.

Cerca de 470 chefes de polícia, ministros e outros representantes de mais de 160 países estão presentes na Assembleia Geral de três dias, que está agendada para eleger na quinta-feira uma nova presidência e membros do comité executivo.

Hoje, os delegados votaram para admitir os Estados Federados da Micronésia, elevando o número de membros da Interpol para 195, de acordo com um comunicado da Interpol.

AL // PDF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS