Câmara do Porto aprova reforço de orçamento para 2019 em 39,7 ME

A Câmara do Porto aprovou hoje a primeira revisão ao orçamento de 2019, que foi reforçado 39,7 milhões de euros, passando para um total de 333,6 milhões de euros, devido à incorporação do saldo de gerência de 2018.

Câmara do Porto aprova reforço de orçamento para 2019 em 39,7 ME

Câmara do Porto aprova reforço de orçamento para 2019 em 39,7 ME

A Câmara do Porto aprovou hoje a primeira revisão ao orçamento de 2019, que foi reforçado 39,7 milhões de euros, passando para um total de 333,6 milhões de euros, devido à incorporação do saldo de gerência de 2018.

Com cinco votos contra — do PS e do PSD — e a abstenção da CDU, o executivo aprovou na reunião de hoje a revisão orçamental para a “inscrição de 85,7 milhões de euros relativos à incorporação do saldo de gerência de 2018” e “ajustamento da receita”, traduzindo-se “num reforço de 39,7 milhões de euros”, escreve-se no documento a que a Lusa teve acesso.

O vereador do PS, Manuel Pizarro, defendeu a possibilidade de incorporar o saldo de gerência nesta altura do ano em vez o fazer em outubro, quando se aprova o orçamento do ano seguinte, porque “a inscrição de verbas nesta fase tem como consequência a impossibilidade de execução de alguns investimentos”.

“É preciso resolver isto de forma estrutural. É um aumento de 40 milhões de euros na execução orçamental o que estamos a discutir”, alertou.

Considerando que a revisão “não é qualitativamente diferente do orçamento inicial”, o PS decidiu manter o sentido de voto que tinha dado ao orçamento.

Ilda Figueiredo, da CDU, alertou para o “saldo significativo” que gostaria que “tivesse sido menor”, correspondendo “a investimento para melhorar as condições de vida das populações”.

A comunista pediu que a incorporação do saldo de 2018 sirva para atual ao nível das “carências na área do desporto, da reabilitação dos espaços públicos, da limpeza urbana e ambiente e no cumprimento mais acelerado da reabilitação dos bairros”.

Álvaro Almeida, do PSD, alertou para o aumento de 17 milhões de euros de “despesa corrente” a somar ao “aumento de 11 milhões que já existia no orçamento inicial”, levando a questionar a “sustentabilidade” das contas.

Na sessão camarária de hoje, o executivo aprovou ainda, com as abstenções do PS e do PSD e o voto contra da CDU, o Relatório de Contas Consolidadas de 2018 do Grupo Município do Porto, onde se incluem as empresas municipais e onde o município apresenta “uma representatividade superior a 95%”, sendo “como tal, responsável pelas principais variações” financeiras.

ACG // MSP

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS