Câmara de Lisboa campeã de reclamações com 4 vezes mais do que a do Porto

O Portal do Queixa registou quase 7 mil reclamações dirigidas a câmaras municipais durante o mandato que agora termina, o que representa um aumento de 392% face ao quadriénio 2013-2017.

Câmara de Lisboa campeã de reclamações com 4 vezes mais do que a do Porto

Câmara de Lisboa campeã de reclamações com 4 vezes mais do que a do Porto

O Portal do Queixa registou quase 7 mil reclamações dirigidas a câmaras municipais durante o mandato que agora termina, o que representa um aumento de 392% face ao quadriénio 2013-2017.

Foram feitas 6.988 reclamações contra câmaras municipais entre 1 de outubro de 2017 e 31 de julho de 2021, contra as 1.419 registadas no período homólogo imediatamente anterior. O estudo do Portal da Queixa, que teve como mote as eleições autárquicas marcadas para 26 de setembro, concluiu que Lisboa (1.496 reclamações), Porto (407) e Braga (191) foram as mais visadas pelos seus munícipes no atual mandato, numa análise focada nas 18 capitais de distrito, que concentraram 37% das queixas (2.615).

“Um resultado que está relacionado com o facto de pertencerem às zonas mais urbanizadas do país e àquelas que apresentam uma maior densidade populacional”, justifica a plataforma. No lado oposto, o Portal da Queixa não recebeu qualquer reclamação relativa à câmara de Vila Real, enquanto Guarda (cinco), Bragança (sete) e Portalegre (10) foram as que geraram menos protestos.

As maiores variações de crescimento registaram-se em Viana do Castelo (1.300%), Beja (1.000%), Faro (825%), enquanto Braga registou um aumento de 730% e Lisboa de 696%. Relativamente ao índice de satisfação — pontuação atribuída a cada entidade no Portal da Queixa —, Lisboa, Faro, Braga, Leiria e Setúbal são as que “demonstram uma maior preocupação em responder e resolver os problemas reportados pelos seus munícipes”, numa análise aos primeiros sete meses de 2021.

Para o mesmo período, Lisboa e Faro apresentam índices de satisfação perto dos 80% e taxas de resposta de 100%, enquanto a taxa de solução se situa nos 73,9% na capital e em 84,6% no concelho algarvio. Uma análise às cinco câmaras com maior número de queixas (Lisboa, Porto, Braga, Coimbra e Viseu) — que reúnem 88% das reclamações das 18 capitais de distrito — concluiu que, de 01 de janeiro a 31 de julho deste ano, os principais motivos de reclamação estão relacionados com infraestruturas, serviços, ambiente, licenciamentos, habitação e saúde pública.

Lisboa é o concelho que mais contribuiu para este resultado, com 331 queixas relacionadas com estas seis áreas, incluindo 99 por questões de licenciamento, 89 relativas a infraestruturas e 82 no campo do ambiente. O estudo concluiu também que as reclamações efetuadas entre 2017 e 2021 aumentam em função do grau de urbanização e do poder de compra do concelho, tal como em função do nível de instrução dos seus habitantes.

Por outro lado, as reclamações diminuem nos concelhos onde a percentagem de população sem o ensino secundário é maior. As queixas aumentaram nos concelhos onde há mais população residente, mais natalidade (mais frequente nas zonas mais urbanas), em que o poder de compra é maior, onde a densidade populacional é maior (zonas mais urbanizadas) e em que a população empregada no setor terciário é superior.

LEIA AGORA
Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa
Medina pede desculpas aos ativistas russos e assume “erro lamentável”
Fernando Medina pediu desculpas públicas pela partilha de dados de ativistas russos em Portugal com as autoridades russas, assumindo que foi um erro lamentável que não podia ter acontecido. (… continue a ler aqui)

Impala Instagram


RELACIONADOS