Câmara de Lisboa concede benefícios fiscais de mais de 2ME a prédios de luxo

Câmara de Lisboa concede benefícios fiscais de mais de 2ME a prédios de luxo

A Câmara de Lisboa aprovou hoje, por maioria, uma proposta para isentar de IMI e IMT, no valor de mais de dois milhões de euros, prédios de luxo situados na avenida da Liberdade.

O documento teve os votos favoráveis do PS, a abstenção do CDS-PP, BE e PSD, e o voto contra do PCP. A proposta, assinada pelos vereadores do Urbanismo, Manuel Salgado (PS), e das Finanças, João Paulo Saraiva (Cidadãos por Lisboa, eleito na lista do PS), visa isentar a empresa “Liberdade 203 Investimentos Imobiliários, SA” de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), no valor de cerca de 115.800 euros, e de Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT), no montante de mais de 1,9 milhões de euros.

Os partidos foram unânimes ao afirmarem que a aprovação foi feita ao abrigo da lei que prevê a isenção destes impostos para prédios que sejam objeto de reabilitação urbanística

No entanto, o vereador do PCP Jorge Alves disse à Lusa que é o município que “define com rigor a área de reabilitação urbana” e que hoje em dia, com a evolução da cidade, “há várias zonas que não necessitam deste tipo de classificação”. O eleito Manuel Grilo, do BE (partido que tem um acordo de governação do concelho com o PS), explicou que se absteve uma vez que “não há nada do quadro legal que permitisse votar contra”, mas realçou que não concorda com a lei e que “a cidade não pode ser tratada toda por igual”.

O PSD, através de João Pedro Costa, considerou ser necessário “avaliar se vale a pena continuar com estes regimes de incentivos”.

Por seu turno, o vereador do CDS-PP João Gonçalves Pereira referiu apenas que “é um legítimo direito”, que está “consagrado na lei”, escusando-se a dar a sua opinião sobre o diploma. Na reunião privada do executivo, foi aprovada, também, uma proposta para adjudicar a execução das obras de reabilitação dos viadutos de Pedrouços à empresa Estrela do Norte, pelo valor de cerca de 1,5 milhões de euros.

O documento, assinado pelo vereador do Urbanismo, Manuel Salgado (PS), dá conta de que, “face ao prazo de execução de 300 dias”, terá de se proceder a uma repartição de encargos para os anos financeiros de 2019 e 2020.

A proposta estabelece uma repartição de encargos de cerca de 1,1 milhões de euros para 2019 e quase 500 mil euros para 2020

A câmara municipal, liderado pelo socialista Fernando Medina, aprovou, igualmente, por unanimidade aplicar uma multa, no valor de 728.500 euros, ao empreiteiro responsável pela requalificação do Teatro Variedades, assim como a resolução do contrato e a anulação do saldo da empreitada no montante de mais de três milhões de euros, com IVA incluído.

LEIA MAIS

Previsão do tempo para sábado, 16 de março

Manuel Maria Carrilho absolvido [novamente] do crime de violência doméstica

Netflix explica tudo o que aconteceu no desaparecimento de Maddie [vídeo]

Atirador transmite em direto ataque em mesquita na Nova Zelândia [vídeo]

Amélia Fialho terá expulsado filha e genro de casa antes de ter sido assassinada

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Câmara de Lisboa concede benefícios fiscais de mais de 2ME a prédios de luxo

A Câmara de Lisboa aprovou hoje, por maioria, uma proposta para isentar de IMI e IMT, no valor de mais de dois milhões de euros, prédios de luxo situados na avenida da Liberdade.